Reajuste da Energisa vai anular 'alívio' na conta de energia com fim de cobrança extra

Em vez de ter economia de 20% na conta de luz, consumidor em MS terá redução de 1,9% por causa do reajuste da Energisa
| 17/04/2022
- 08:00
Energisa
Reajuste da Energisa faz consumidor de MS não sentir efeito do fim da bandeira de escassez hídrica. (Foto: Reprodução)

O fim da cobrança extra da bandeira tarifária da escassez hídrica — que passa a ser bandeira verde — deveria dar 'alívio' de 20% na conta de luz, porém, a medida passará quase que batida para os sul-mato-grossenses atendidos pela Energisa. Isso porque a concessionária conseguiu aplicar reajuste de 18,16%.

Isso significa que a conta de luz de pouco mais de 1 milhão de unidades consumidoras em terá redução inferior a 2% no valor da tarifa. E essa diminuição será temporária, uma vez que o país já passou pela época chuvosa e entrará em poucos meses no período de estiagem.

Algumas consultorias avaliam que a bandeira amarela deve ser praticada por alguns meses no segundo semestre para 'compensar' as perdas pela diminuição do volume de chuvas no inverno. Por esse cálculo, a redução imediata seria de apenas 12,5% num cenário sem reajuste da concessionária.

Entretanto, após pedido da Energisa ser homologado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), os consumidores sul-mato-grossenses terão alta em média de 18,16%, suficiente para anular o benefício anunciado pelo governo federal até o fim do ano.

Energisa pede reajuste, mas tem lucro bilionário

Apesar do alto percentual que pressiona ainda mais o custo de vida do sul-mato-grossense, a realidade financeira da Energisa é bem diferente. Conforme reportagem do Jornal Midiamax, a empresa goza de boa financeira e fechou o ano de 2021 com lucro líquido de R$ 3,1 bilhões.

No começo do ano passado, em plena pandemia, a Energisa lucrou R$ 873,3 milhões só no primeiro trimestre — um crescimento de 50,1%. Já no segundo trimestre, esse mesmo lucro foi de R$ 749 milhões e no terceiro trimestre aumentou para R$ 863,9 milhões. As despesas operacionais da empresa estão cada vez menores, assim como a dívida líquida, enquanto a conta de luz aumenta.

Energisa MS tem 3ª energia mais cara do país

Para os consumidores de baixa tensão, como residenciais, o impacto será de 17,93%. Para consumidores de alta tensão (indústria) o efeito é de 18,81% e para o consumidor rural o maior impacto: 25%. Os novos valores entram em vigor neste sábado, 16 de abril, junto da vigência da bandeira verde (que não traz adicional à tarifa).

Segundo a presidente do Concen-MS (Conselho de Consumidores das Áreas de Concessão da Energisa em Mato Grosso do Sul), Rosimeire Costa, a base da tarifa até agora custa R$ 69,00 a cada 100 kWh consumido de baixa tensão. Agora, com reajuste, será de R$ 81,20 a cada 100 kWh.

Campeã de reclamações no Procon

Além do preço, contexto do reajuste também chama atenção. Isso porque a Energisa foi a campeã de reclamações no Procon-MS durante os 12 meses do ano passado. A concessionária teve 364 ocorrências. Dentre as reclamações da Energisa, a maioria é de cobrança indevida/abusiva com 207 registros.

Volta da CPI da Energisa

O deputado estadual Capitão Contar (PRTB) anunciou que vai reabrir a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) contra a Energisa e pedir a reavaliação do valor a ser aplicado nas faturas dos sul-mato-grossenses. 

Relator da CPI em 2019, o parlamentar destacou que o novo aumento autorizado pela Aneel é 'absurdo', principalmente durante o processo de recuperação econômica que Mato Grosso do Sul vem presenciando. 

Veja também

Lei federal determina devolução de tributos cobrados a mais dos consumidores

Últimas notícias