Cotidiano / Consumidor

Clientes da Caixa reclamam que grevistas escondem envelopes para depósito

Correntistas da Caixa Econômica Federal de Campo Grande denunciam que não conseguem fazer depósitos em virtude da falta de envelopes nas agências. Segundo eles, esse serviço deveria ser disponibilizado mesmo nesse período de greve bancária, bem como desconfiam que os grevistas estão escondendo os envelopes a fim de pressionar os bancos. De acordo com o […]

Arquivo Publicado em 03/10/2014, às 14h20

None
1585593939.jpg

Correntistas da Caixa Econômica Federal de Campo Grande denunciam que não conseguem fazer depósitos em virtude da falta de envelopes nas agências. Segundo eles, esse serviço deveria ser disponibilizado mesmo nesse período de greve bancária, bem como desconfiam que os grevistas estão escondendo os envelopes a fim de pressionar os bancos.

De acordo com o vendedor, Rafael Vieira, essa falta de envelopes vai prejudicar o recebimento do salário. “A empresa em que trabalho só paga em cheque. Agora não sei como eu vou fazer para depositar meu pagamento”, reclama.

Segundo o funcionário público Ismael Alencar, mesmo com a greve em andamento, todos os bancos deveriam continuar realizando a compensação bancária. “Isso prejudica muito as pessoas, está errado”, ressalta.

O autônomo Rosalvo Junior precisou voltar para casa depois que não encontrou nenhum envelope nas agências pelas quais passou. “Vou tentar ir a uma Casa Lotérica, se não conseguir volto pra casa”, diz.

De acordo com o secretário geral do Sindicato dos Bancários de Campo Grande , Edivaldo Barros, essa falta de envelopes não ocorre nos demais bancos. “Isso está ocorrendo somente na Caixa porque a adesão deles foi a máxima permitida em lei. Por isso, não há funcionários disponíveis para fazer esse trabalho”, relata. O sindicato avisa que os correntistas têm a opção de fazer depósitos nas Casas Lotéricas.

Segundo Edivaldo, a Lei 7783/89 (Lei de Greve) determina que pelo menos 70% dos funcionários continuem trabalhando. “No caso da Caixa, só os gerentes ficaram trabalhando e eles não fazem essa compensação bancária, ficam atendendo telefones e dando informações”, conta.

Já o diretor do Sindicato dos Bancários, Abrão Alves Bezerra, afirmou que nesta sexta-feira à tarde haverá uma reunião entre a Febrabam (Federação Nacional dos Bancos) e os representantes de todos os sindicatos dos bancários, em São Paulo. “Nossa representante já está lá. Vamos analisar se a proposta dos bancos é viável para nós”.

Os bancários fazem diversas exigências, entre elas o reajuste salarial, o fim de metas abusivas e a implantação de um piso nacional para a categoria.

Jornal Midiamax