Relacionada a ômicron, queda de cabelo é consequência que pode ser amenizada, diz especialista

Segundo especialista, 25% dos pacientes com covid apresentam problemas relacionados ao cabelo
| 24/04/2022
- 15:34
Relacionada a ômicron, queda de cabelo é consequência que pode ser amenizada, diz especialista
Foto: Arquivo/Midiamax

Foi durante o banho, ao pentear e passar a mão pelo cabelo, que a estudante de Zootecnia Kalenna Valadares percebeu que a queda de fios estava mais acentuada que o normal. De imediato, ela lembrou que sua irmã começou a sofrer com queda capilar em seu processo de pós-. Havia solucionado a charada, pois fora diagnosticada com Covid-19 em janeiro deste ano.

Queda de cabelo é uma das novas sequelas da Covid-19, associadas, principalmente, à variante ômicron do vírus. Se antes perda de olfato e paladar eram consequências, agora, a queda de cabelo se junta ao rol de efeitos colaterais.

Kalenna notou, porém, que após um mês, a queda voltou a normalizar. Mas, poderia piorar caso tivesse feito alguns procedimentos, como intervenções químicas do tipo pintura, alisamento e até mesmo uso de secador de cabelo. Além disso, deixar de lavar o cabelo com frequência também pode ser prejudicial à do couro cabeludo nessa condição.

"Pode até ser prejudicial em casos de o couro cabeludo ser muito oleoso. Os cuidados com a hidratação e a lavagem dos fios devem ser mantidos, pois, xampu e condicionador proporcionam um bom efeito na limpeza do couro cabeludo", explica a médica dermatologista Dra. Morgana Volpato.

Assim como Kalenna, uma estudante de Radiologia que não quis ser identificada, também passou pelo processo de queda capilar pós-covid. “Caiu muito, foi bem difícil, era uma quantidade enorme e fiquei bem assustada. Ainda sinto que continua caindo de forma maior do que era antes do covid, mas, menor em relação aos primeiros meses após ter pegado”, relata.

Volpato aponta que 25% dos pacientes com covid apresentaram problemas relacionados ao cabelo devido à inflamação que o vírus gera no organismo, somado ao estresse físico e emocional ocasionado pela doença.

A especialista esclarece que a perda de cabelo é um processo natural do ciclo de crescimento dos fios. Entretanto, é possível identificar uma perda ao nível anormal ocasionada pelos sintomas da doença.

“Perda excessiva ao lavar e pentear, queda ao passar a mão pela cabeça, muitos fios soltos no travesseiro ao acordar, perda de volume e a presença de falhas no couro cabeludo são alguns dos fatores que ajudam a identificar esse problema”, pontua.

Conforme a médica dermatologista, é necessário realizar um diagnóstico para compreender o motivo da queda e buscar tratamento especializado.

“A queda pós-covid normalmente se inicia entre 2 e 3 meses após a infecção, mas tende a cessar depois de cerca de um trimestre. Os tratamentos têm o objetivo de auxiliar no crescimento dos novos fios e incluem suplementação personalizada usando vitaminas, minerais, aminoácidos essenciais e tônicos capilares. Além disso, é possível realizar tratamentos em consultórios especializados, como intradermoterapia, laserterapia e ledterapia, com injeção de ativos no couro cabeludo, melhorando o crescimento e tornando os fios mais fortes e saudáveis”, revela.

Cuidados para tratar a queda capilar

Apesar de ser uma sequela nova, existem diversas maneiras de tratar a queda de cabelo de forma a auxiliar no crescimento dos fios. Confira:

  • Evite procedimentos químicos no cabelo por pelo menos 3 meses;
  • Procure um tratamento médico;
  • Lave o cabelo com a frequência correta;
  • Mantenha os fios hidratados.

Veja também

Em mais um dia de tensões domésticas e internacionais, o dólar superou a barreira de...

Últimas notícias