Liberação de autotestes de covid pode melhorar isolamento de infectados em MS, diz especialista

Anvisa decide nesta semana sobre a liberação do autoteste contra a Covid no país
| 20/01/2022
- 10:55
Liberação de autotestes de covid pode melhorar isolamento de infectados em MS, diz especialista
Reprodução/Freepik

Objeto de análise pela (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a proposta de liberação de aplicação de testes rápidos de antígeno para covid — os chamados autotestes — ainda traz dúvidas sobre a contribuição no combate à pandemia do novo coronavírus. A análise foi interrompida na quarta-feira (19), após a agência requerer ao Ministério da Saúde informações complementares, em um prazo de 15 dias.

Enquanto a análise segue suspensa, ala de autoridades em saúde defende que a liberação dos autotestes seria uma forma de garantir maior isolamento dos moradores infectados que aderissem à testagem. Como afirma o médico infectologista e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz, Júlio Croda.

Para pesquisador, a liberação da testagem em casa pelos moradores ajudaria a identificar mais rápido a infecção pelo coronavírus e proporcionaria acelerar o isolamento do infectado. "Acesso à testagem está associado a maior isolamento e cuidados. Ou seja, menos transmissão", disse à reportagem.

Um dos questionamentos da Anvisa para o Ministério da Saúde é se haverá um controle das pessoas que testarem positivo para o vírus em casa. O infectologista diz que o cenário atual não contrastaria com uma eventual possibilidade de compra de autotestes. "A tendência se mantém [aumento de casos] mesmo com a falta de testes. Só não saberemos a real magnitude [do cenário] pela falta de testes", comentou.

O posicionamento de Croda é semelhante ao de outras autoridades sanitárias que, durante a pandemia, têm falado sobre holofotes sob a luz da ciência, entre os quais está a microbiologista e presidente do Instituto Questão de Ciência, Natália Pasternak. Para ela, a adoção de autotestes "é importante no momento em que temos a ômicron circulando. O sistema está sobrecarregado, o autoteste só iria ajudar", detalhou em entrevista à Globonews, no início do mês.

O que é o autoteste?

O autoteste é parecido com o teste rápido, mas pode ser feito por leigos, em casa. O kit vem com um dispositivo de teste, tampão de extração, filtro e o swab — uma espécie de cotonete usado para a coleta nasal, a mais comum.

Quanto deverão custar?

Atualmente, os testes antígenos custam entre R$ 75 e 150 nos estabelecimentos particulares de Campo Grande, por exemplo. À Folha de SP, o presidente CBDL (Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial), Carlos Gouvêa, disse que o autoteste deverá custar, em média, entre R$ 45 a R$ 70, caso seja liberado o uso.

Eficácia do autoteste

Feito em casa sem a necessidade de um profissional de saúde, o autoteste já é utilizado nos e em alguns países da Europa, como a Inglaterra. O vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Alexandre Naime Barbosa, explica que essa modalidade de testagem tem sensibilidade considerada alta, acima de 80%, e em casos de resultado positivo, é 100% específico. 

Conforme entrevista ao portal Terra, o infectologista explica que assim como o teste de antígeno feito em farmácias, é detectada a estrutura que fica na superfície do vírus. A diferença para o tipo PCR é a maior sensibilidade deste último, que procura o RNA do coronavírus.

O infectologista pondera que, apesar da sensibilidade, podem acontecer casos de falso negativo, ou seja, o exame apontar que a pessoa testada não está com Covid-19. Para tornar o diagnóstico mais preciso, o recomendado é repetir o teste dois ou três dias depois.

“O ideal é que esse teste seja dado somente para pacientes sintomáticos e que seja gratuito, para evitar a questão de elitizar o diagnóstico. Porque se for vendido, somente pessoas com poder aquisitivo vão poder ter acesso. Em se entendendo o caráter de excepcionalidade, o mais importante seria garantir o acesso universal”, destaca.

Autoteste em análise pela Anvisa

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu nesta quarta-feira (19) adiar a decisão sobre a liberação ou não da venda de autotestes de covid no país. A análise, iniciada nesta quarta, foi provocada após o Ministério da Saúde enviar na quinta-feira (13) uma nota técnica defendendo a aprovação da liberação da oferta comercial de testes de covid-19, que possam ser aplicados autonomamente pelas próprias pessoas. 

O pedido feito pelo Ministério da Saúde semana passada ocorreu devido ao aumento de casos da doença em meio ao surto de novas variantes da Covid-19. Porém, nesta quarta-feira (19) quatro diretores decidiram pelo adiamento para cobrar mais dados do Ministério da Saúde.

Os autotestes são usados na Europa e nos Estados Unidos, mas ainda não foram liberados no Brasil. No caso do autoteste, que deverá ser encontrado em farmácias, o próprio paciente é quem coleta a sua amostra, em casa, e tira o resultado conforme as instruções do fabricante.

"O objetivo dos autotestes é ampliar o acesso ao diagnóstico. Existem laboratórios, hospitais, há uma carência em nível mundial", disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Com isso, ainda não há previsão de quando os autotestes estarão disponíveis no Brasil.

Veja também

Temperatura deve cair mais ainda de hoje para amanhã

Últimas notícias