Pela primeira vez em 99 anos o asilo São João Bosco, de Campo Grande, recebe uma reforma. Quem passa pela avenida José Nogueira Vieira nota a diferença na fachada da instituição, que agora tem um muro alto e fechado. A mudança é a mais visível e crucial para aumentar a segurança do local.

A superintendente-executiva do asilo, Cleo Shamah, explica que os furtos são quase que diários na instituição. “Praticamente todos os dias entram aqui e levam tudo o que encontrarem, pode ser qualquer coisa. Ontem mesmo furtaram todas as ferramentas do pedreiro que está fazendo a obra aqui”, conta ela.

Asilo
Superintendente-executiva do asilo, Cleo Shamah. (Foto: Priscilla Peres / Midiamax)

Construção antiga, o asilo São João Bosco tem quase 8 mil m² e contava com um muro baixo e uma cerca em toda frente, que possibilitava ver o jardim e as construções da instituição. Porém, além de desgastada pelo tempo, a fachada não impedia ninguém de entrar no asilo, seja para visita, doação ou até mesmo furtos.

Por isso, o muro foi prioridade na reforma da instituição. Para não descaracterizar totalmente, a fachada próximo à guarita terá o muro vazado, com grades, que vão possibilitar a visão para o jardim de quem passa por lá.

Reforma em comemoração aos 100 anos do asilo

Em 23 de outubro de 2023 o asilo São João Bosco comemora 100 anos de existência e atuação, tendo recebido mais de 1,5 mil idosos neste período, a maioria em situação de vulnerabilidade social. Além do muro, está em reforma o bazar permanente da instituição e um salão para eventos.

O asilo mantém um bazar permanente, que contribui para as finanças, mas que ficava em uma área afastada, sem oferecer segurança para os funcionários. A obra do novo bazar está avançada e agora fica ao lado do prédio administrativo. Quando pronta, terá melhor capacidade de atender os clientes, segundo a superintendente-executiva do asilo.

Cleo Shamah explica que também está sendo construído um espaço multiúso entre os blocos onde os idosos ficam, para ser um espaço de convivência. “Atualmente não temos um espaço que caibam todos os idosos com conforto e segurança, quando realizamos alguma confraternização para eles, precisamos deslocar todos para um antigo salão de festas que é longe, onde não tem nem iluminação porque roubaram os fios”, conta.

Asilo não precisa mais de doações?

Quem vê o muro alto pode até pensar que o asilo ganhou na loteria e não tem mais problemas financeiros, mas a realidade não é essa. A instituição vive de doações e segue precisando, inclusive agora com mais intensidade.

“As pessoas passam aqui, veem o muro e acham que a gente não precisa mais de nada. Nossas doações caíram muito esse ano, estamos tendo que fazer mais campanhas agora”, conta a superintendente-executiva do asilo.

Todas as reformas realizadas atualmente no asilo são provenientes de recursos repassados via Fundo Municipal do Idoso, que recebe doações de empresas privadas por meio de destinação fiscal. As empresas doam para o asilo, por meio do Fundo, e ganham deduções fiscais concedidas pelo Governo.

O recurso é destinado ao asilo e especificamente para a realização de cada obra. “O recurso vem direto para o muro, a gente executa e o fundo apenas repassa o valor. Não posso usar esse dinheiro para outra coisa”, explica.

Asilo
Novo espaço do bazar permanente (Foto: Priscilla Peres)

No dia 3 de dezembro, o asilo realiza a 8ª Quermesse Show de prêmios. Serão R$ 20 mil em prêmios e cada cartela custa R$ 25. O evento é uma forma de arrecadar recursos para manter a instituição que atualmente cuida de 83 idosos.

Quer ajudar o asilo? O pix é doe@asilosjb.org.br e os telefones de contato são (67) 3345-0500 e (67) 98402-7626.