Nova Andradina enfrenta falta de medicamentos em farmácia do município e risco de desabastecimento no Hospital Regional

Remédios como dipirona, nimesulida, losartana e azitromicina não estão disponíveis nos estoques da farmácia
| 03/05/2022
- 17:51
Nova Andradina enfrenta falta de medicamentos em farmácia do município e risco de desabastecimento no Hospital Regional
Farmácia Básica Municipal de Nova Andradina, ilustrativa (Foto: Divulgação / Prefeitura de Nova Andradina)

O município de Nova Andradina está sofrendo com problemas no abastecimento de medicamentos para a Farmácia Básica Municipal e no . Remédios como dipirona, nimesulida, losartana e azitromicina não estão disponíveis nos estoques da Farmácia Básica Municipal, prejudicando o atendimento à população.

De acordo com a gestão municipal, a rede pública de saúde de Mato Grosso do Sul estaria enfrentando uma falta de medicamentos para diversas doenças.

Nesta semana, o Cosems (Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Mato Grosso do Sul) alertou sobre a ausência de alguns remédios considerados essenciais, citando ibuprofeno, nimesulida, amoxicilina com clavulanato, losartana, dexametasona injetável e loratadina.

No Hospital Regional, a unidade apresenta escassez e o risco iminente de desabastecimento de medicamentos essenciais a assistência aos pacientes hospitalizados como neostigmia (ação analgésica e antipirética), ocitocina (utilizado em todas as anestesias gerais, incluindo eletivas, urgências e emergências) e imunoglobulina (o desabastecimento impacta diretamente na assistência a condições clinicas graves, aumentando o risco de mortalidade.

O secretário municipal de saúde, Luiz Eduardo de Paula Gonçalves, apontou que o problema de desabastecimento ocorre em virtude de vários fatores: a guerra na Ucrânia, licitações desertas, falta de matéria-prima e a crise da Covid-19 na China, que atrapalha a importação dos insumos.

O município trabalha em várias frentes para resolver a situação da forma mais rápida possível. “Protocolamos um pedido de dispensa de licitação para a compra de medicamentos em caráter emergencial. O maior impasse tem sido a falta de fornecedores dos fármacos dentro da tabela de referência de preços, controlados pela de Regulação do Mercado de Medicamentos. Na outra ponta, o Codevale está realizando hoje essa licitação e, a expectativa é de que em 20 a 30 dias, a primeira entrega ao município seja feita, através do consórcio”, informa Luiz Eduardo.

Em relação ao Hospital Regional, o diretor geral Norberto Fabri informa que conseguiu efetuar a compra de medicamentos e a situação deve ser normalizada em uma semana.

Veja também

Grupo pequeno aguarda a chegada de Bolsonaro para agenda e motociata

Últimas notícias