Construção de hidrelétrica pode desviar 80% do fluxo de água da segunda maior cachoeira de MS

Organização aponta impactos negativos da construção, principalmente no avanço do turismo na região
| 13/07/2022
- 19:37
cachoeira Silas Ismael
(Foto: Reprodução, Silas Ismael)

A construção de uma PCH (Pequena Central Hidrelétrica) pode desviar até 80% do fluxo de água da cachoeira Água Branca, considerada a segunda maior cachoeira de queda livre do Mato Grosso do Sul, localizado entre os municípios de Pedro Gomes e Sonora. Estudos realizados pela ONG (Organização Não Governamental) Ecoa - Ecologia e Ação, uma das organizações que faz parte da Rede , mostram o impacto que a obra pode causar na região.

De acordo com a organização, o empreendimento pode ocasionar danos ambientais, sociais e econômicos na região. A licença prévia para construção da PCH foi aprovada em 2021 e tem validade pelos próximos quatro anos.

“Para gerar 2,9 MW de energia, a destruição da cachoeira seria inevitável”, afirmou a organização. Parecer do (Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul) indica que o barramento deve desviar 80% do fluxo de água da cachoeira, o que causaria impactos irreversíveis para o local.

Ainda ‘gatinhando’ o turismo da região deve ser impactado diretamente e as projeções de crescimentos estagnarem. De acordo com a organização, a própria empresa reconhece os danos que serão causados ao local e chega a propor medidas excêntricas como a criação de uma cachoeira falsa com um “difusor” para espalhar água.

Segundo o Cointra (Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Sustentável da Bacia Hidrográfica do Rio Taquari), a região tem “grande potencial para alavancar o turismo na região e a instalação da barragem da hidrelétrica Cipó tornará inviável tal possibilidade”.  

A Ecoa e a Rede Pantanal chegou a enviar um manifesto para o MPE (Ministério Público Estadual) denunciando o problema e reforçando as certezas de “evidentes danos ambientais” no local. A organização explica que as águas que serão retidas pela represa Cipó drenam para a Bacia Hidrográfica Piquiri/Correntes, uma das principais abastecedoras do Pantanal e, portanto, parte da BAP (Bacia do Alto Paraguai).

Ao todo, são 180 represas na BAP, dentre as construídas e previstas. Esse grande número de empreendimentos hidrelétricos chamou a atenção de diversas organizações e para entender melhor os impactos deste grande número de represas na bacia, a Agência Nacional de Águas contratou a Fundação Eliseu Alves, que junto com mais de 100 especialistas na área elaboraram os chamados “Estudos de Avaliação dos efeitos da implantação de empreendimentos hidrelétricos na Bacia do Alto Paraguai”. 

Veja também

A prefeitura retoma recapeamento na área central nesta sexta-feira (19), em Campo Grande. As equipes...

Últimas notícias