Após desabastecimento pontual, cidades do interior que enfrentaram falta de combustível após histeria em postos voltaram a ser reabastecidos em Mato Grosso do Sul. Com o desbloqueio parcial das rodovias, estabelecimentos que estavam sem estoque após intensa procura voltaram a normalidade.

Conforme o Sinpetro (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes MS), pela manhã pelo menos 50% das cidades de Mato Grosso do Sul estavam ‘sem algum tipo de combustível’. Em Campo Grande, apesar da intensa procura com filas nos postos não houve desabastecimento e postos já eram reabastecidos nesta terça-feira (1).

Edson Lazarotto, diretor do Sinpetro-MS, disse que o estado tem estoque de combustível até a próxima quinta-feira (3) e um possível desabastecimento pode começar a ser avaliado se as rodovias não forem desbloqueadas. “Não há necessidade do consumidor formar longas filas, porque há estoque até a próxima quinta-feira caso não liberem todos os bloqueios”, disse.

Protestos e bloqueios

No domingo (30), após o anúncio da vitória de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República, no segundo turno da eleição, grupos de caminhoneiros iniciaram bloqueios em diversos pontos do país.

Em Mato Grosso do Sul, os bloqueios começaram nas rodovias federais, que chegaram a ter dezenas de trechos ocupados. Depois dos diferentes atos pelos Brasil, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, determinou o total desbloqueio das estradas federais fechadas pelos manifestantes. 

Pela decisão, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e polícias militares estaduais deverão cumprir a decisão e garantir total trânsito de veículos.

Bolsonaro se pronuncia

O presidente Jair Bolsonaro (PL) realizou o primeiro pronunciamento oficial após a derrota no segundo turno das eleições ocorrido neste domingo (30). O pronunciamento ocorreu nesta terça-feira (1°), cerca de 40h após Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ser eleito presidente da República.

Em um rápido manifesto, Bolsonaro comentou sobre os atuais protestos que ocorrem em todo o País. O atual presidente se posicionou contra os bloqueios realizados por apoiadores.

“Os atuais protestos são fruto de indignação de como se deu o processo eleitoral. As manifestações pacíficas são bem-vindas, mas nossos métodos não podem ser como os da esquerda”, frisou Bolsonaro.

O presidente afirmou que métodos utilizados, como obstrução de vias, seriam os mesmos praticados por rivais e afirmou que seus eleitores não podem seguir o mesmo caminho.

Além disso, Bolsonaro agradeceu aos votos e afirmou que, como presidente e cidadão, continuará cumprindo “todos os fundamentos” da constituição.