Agepen retoma gradativamente visitas presenciais nos presídios de MS

Visitantes precisam apresentar comprovante vacinal completo contra a Covid-19
| 16/02/2022
- 12:18
Resolução foi publicada pela Agepen-MS
Resolução foi publicada pela Agepen-MS - Arquivo, Divulgação

As visitas presenciais nas Unidades Penais de Regime Fechado, e Aberto do Estado, serão retomadas gradativamente, a partir desta quarta-feira (16), segundo resolução publicada pela -MS (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário do Estado de Mato Grosso do Sul).

As visitas foram suspensas em janeiro, devido ao aumento de casos de Covid-19, ocasionados pela variante Ômicron. De acordo com a publicação, todo preso terá direito a receber um visitante por dia de visita, sendo duas visitações no período de 30 dias.

Porém, o visitante precisa ter mais de 18 anos, apresentar o comprovante de vacinação completa para Covid-19, respeitando-se o período de 15 dias após a aplicação da segunda dose ou dose única. Os visitantes não podem ter sinais e/ou sintomas relacionados com a Covid (estado febril, tosse, cefaleia, entre outros). Para visita, é preciso estar de máscara de uso pessoal e não estar portando roupas, produtos de higiene, materiais de limpeza e demais pertences.

A visitação ocorrerá do horário das 9h às 15h, em dias definidos pela direção de cada Unidade Penal, devendo ser informado aos visitantes, de modo a evitar aglomerações na portaria da Unidade. 

O horário de visitação ocorrerá às quartas-feiras, nas Penitenciárias Estaduais Masculinas de Regime Fechado da Gameleira I e II, em Campo Grande e será feito em dois grupos de visitantes: o primeiro grupo, com entrada às 9h e saída às 11h30 e o segundo grupo, com entrada às 13h e saída às 15h30 conforme pavilhão a ser definido pelas direções destas. 

Será permitida a entrada de alimento, especificamente para os visitantes, em vasilhames de plástico transparente, com capacidade de até dois litros, excetuando-se nas Penitenciárias Estaduais Masculinas de Regime Fechado da Gameleira I e II.

Veja também

Custos com a tonelada saltaram de R$ 1.800 para R$ 5.400 em apenas quatro meses, onerando a vida dos produtores rurais

Últimas notícias