Cotidiano

Protetoras cuidam de 60 animais em casa e pedem ajuda para construir canil

Segundo as tutoras, gasto com cães e gatos passam de dois salários mínimos por mês

Felipe Ribeiro Publicado em 05/08/2021, às 15h48

Animais são cuidados em casa pelas duas tutoras
Animais são cuidados em casa pelas duas tutoras - (Foto: Reprodução/Facebook)

Na Vila Nhanhá, duas mulheres tomam conta de 60 animais, que precisam de cuidados domésticos diariamente. Os cães e gatos geram uma fatura de mais de R$ 2 mil mensais às tutoras dos pequenos. Além desse valor gasto, há pessoas que ajudam com doação de ração e pagamento de custos em clínicas veterinárias.

Umas das protetoras é a bióloga Marluce da Costa. Ela relata que a casa onde mora, com sua mãe, Lucineide Alexandre, funciona como uma ONG, mas em escala menor. Segundo a bióloga, gente que passa pelo local acaba aproveitando da bondade das duas mulheres e deixam os animais em frente à residência.

“A gente está com 60 animais. Pegamos o animal e levamos para a doação. Se ninguém leva fica aqui em casa. Tem pessoas que largam os animais aqui, na frente de casa. O duro é que nem dá para ver quem é e responsabilizar a pessoa. A gente não tem câmera de segurança”, contou Marluce.

O objetivo agora é a construção de um canil para melhor abrigar os cães que moram no local. Para os gatos, já existe um gatil construído. Marluce revelou que os custos são altos para realizar a obra e que, para isso, seria necessária ajuda das pessoas.

“No mínimo, o canil custará uns R$ 3 mil. Não fizemos o levantamento ainda, mas temos como base o gatil, que a gente já desembolsou metade desse valor. E a obra foi em um espaço menor. Para os cães, o ambiente tem que ser maior”, detalhou.

O sentimento é de indignação, como expressado pela cuidadora. Ela desabafou sobre o caso, criticando quem abandona os animais na porta de sua casa e dizendo que lidar com o problema é como ter um peso em suas costas.

Os interessados em ajudar Marluce e Lucineide podem entrar em contato com as protetoras independentes através do telefone 67 9 9254-3975. A solidariedade também pode ser feita neste link, com doações em dinheiro. O pix de Marluce é lucineidef6@gmail.com.

Jornal Midiamax