Cotidiano

Prefeitura não vê 'negacionistas' atrapalharem vacinação contra Covid em Campo Grande

Mais cedo, o secretário estadual, Geraldo Resende, atribuiu aos negacionistas o fato de MS perder o 1º lugar no ranking de vacinação

Lucas Mamédio Publicado em 05/10/2021, às 15h52

None
(Foto: Divulgação/PMCG)

Com cobertura vacinal de ciclo completo de 61,18%, acima da média estadual, que é 59,05%, a Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande diz que a adesão à campanha de vacinação contra a Covid tem sito “satisfatória”.

A percepção é um pouco diferente da do secretário estadual de saúde, Geraldo Resende, que atribuiu aos negacionistas o fato de Mato Grosso do Sul ter sido passado por São Paulo no ranking dos estados que mais vacinaram sua população.

Segundo o boletim de vacinação no país, o estado de São Paulo chegou a 59,36% da população com esquema vacinal completo e, por alguns décimos de diferença, desbancou MS, que que está com 59,05%.

"Chegamos num momento que restam ser vacinados em MS aquelas pessoas que não tomaram a vacina pelo componente político. São aqueles que seguem orientações dos negacionistas, que seguem orientações políticas e ideológicas", pontuou Resende à reportagem do Jornal Midiamax.

Em Campo Grande, atualmente, 71,15% de toda a população do Município está vacinada com a primeira dose, o equivalente a 664,6 mil pessoas. “A adesão tem sido considerada satisfatória. Além da busca ativa que é realizada pelas unidades, o Município também tem intensificado as ações itinerantes realizadas em supermercados, terminais de ônibus, bairros e comunidades de maior vulnerabilidade, locais de grande circulação de pessoas e difícil acesso, com objetivo de facilitar o acesso e ampliar a cobertura vacinal”, disse a Prefeitura em nota.

A Capital também possui uma das maiores coberturas na aplicação da dose de reforço (terceira dose), já tendo vacinado mais de 73 mil pessoas até o momento.

Desde o início da vacinação, MS ocupou as primeiras posições na vacinação e seguia na liderança da porcentagem de população imunizada desde maio de 2021. "São Paulo é um estado poderosíssimo, era uma luta de Davi contra Golias. Mas, resistimos", avaliou Resende.

Jornal Midiamax