Cotidiano

Pelas esquinas, vendedores aproveitam onda de calor para venda de redes em Campo Grande

De tamanhos e preços variados, redes de diferentes lugares do país colorem as ruas

Gabriel Neves Publicado em 19/09/2021, às 09h29

Redes de descanso expostas na rotatória que liga a Avenida Três Barras com a José Nogueira Viera
Redes de descanso expostas na rotatória que liga a Avenida Três Barras com a José Nogueira Viera - (Foto: Henrique Arakaki/Midiamax)

De várias cores, tamanhos e preços, as redes de descanso tomaram as calçadas e esquinas de Campo Grande, se tornando um dos principais produtos comercializados por vendedores ambulantes na Capital. Com o retorno das altas temperaturas, a demanda volta a subir e os lucros também.

Francisco dos Santos, 35 anos, também conhecido como ‘Paraíba’ — seu Estado natal — possui um já conhecido ponto de venda na rotatória que liga a Avenida Três Barras com a José Nogueira Viera, onde ele vende suas redes, tapetes e bonecos há dois anos.

“Quando eu mudei para Campo Grande, um rapaz vendia camisetas de times aqui, um dia ele sumiu, então vim e comecei a vender as redes no mesmo ponto. Estou aqui até hoje”, explica Francisco. Conforme o vendedor, apesar de possuir diversos produtos, as redes são o ‘carro chefe da casa’, principalmente nos meses de calor.

Com um sorriso no rosto e animação capaz de contagiar e convencer qualquer cliente, o ambulante afirma que a “rede gosta do preguiçoso”, por isso é o produto com mais procura. “Todo mundo gosta de dar uma deitada, uma descansada”, complementa.

Francisco explica que trabalha no local todos os dias da semana.
(Foto: Henrique Arakaki/Midiamax)

Na esquina do ‘Paraíba’, os valores variam entre R$ 50,00 e R$ 330,00, que se alteram de acordo com o tamanho e qualidade do tecido. O vendedor afirma que o preço é uma base porque tudo é decidido na hora da negociação. “O cara pede um desconto, se comprar mais de uma a gente ajuda no valor, tem que saber negociar”, admite.

Por lá, as redes mais caras são as que recebem maior procura dos clientes, “passa muita gente rica aqui, acho que é por isso, porque o rico não quer só uma rede, ela precisa combinar com a casa e acaba indo nas mais caras”. Apesar do bom humor típico, é visível a mudança no semblante de Francisco ao falar sobre a queda nas vendas. “Antigamente eu vendia umas 10 redes por dia, quando ia bem, hoje, em um dia bom, vendo umas 5, tem dia que não vendo nenhuma, os melhores são os finais de semana”.

A alguns quilômetros de distância, na Avenida Gury Marques, está um xará de Paraíba. Francisco da Silva, 36 anos, estende suas redes todos os dias da semana, mas concorda com o ‘concorrente’ ao afirmar que os finais de semana são os melhores dias de vendas, principalmente os sábados.

O vendedor se alegra ao ser relembrado sobre o aumento das vendas no calor. “Os melhores meses são de outubro para frente, principalmente dezembro e janeiro”, explica.

Ainda esperando o primeiro cliente do dia, Francisco revela que as vendas não ocorrem como o esperado e, para ele, vender 4 redes já é o bastante para considerar o dia como positivo. Há mais tempo no ramo, o vendedor estende suas redes nas cordas há 12 anos e diz que já possui até clientes fixos.

“O pessoal do bairro já conhece, muitos viraram clientes”, afirma. Na avenida que dá acesso à Rodoviária de Campo Grande, os valores cobrados possuem diferenças, com o preço inicial de R$ 65,00 podendo chegar aos R$ 190,00. “As de casal são as mais caras, as mais baratas são de solteiro”.

Ele explica que não existe uma rede mais vendida que as outras. “É variado, sai meio que igual, um pouco de cada”. Competindo com tapetes, a rede também é a principal fonte de renda do ambulante.

Não só nas ruas

E se engana quem imagina que as redes de descanso podem ser encontradas apenas amarradas entre árvores nas calçadas da cidade, o comércio também é forte na internet. Uma rápida pesquisa em sites de vendas já nos apresenta centenas de produtos que podem ser adquiridos sem sair de casa.

Com estampa, listras ou lisas, as fotos dos produtos chamam atenção. Com R$ 100,00 é possível comprar uma rede de casal até 200 kg. Para quem deseja apenas dormir alguns minutos após o almoço, pode encomendar o produto por R$ 50,00.

Redes sendo vendidas no Facebook. (Foto: Midiamax)

Jornal Midiamax