Cotidiano

Pacientes com Covid-19 precisam ter atenção no descarte correto do lixo domiciliar

Com a chegada da vacina de imunização contra a Covid-19, alguns cuidados foram deixados de lado, um deles é o descarte correto do lixo. Especialista explica que uma das maneiras de ser infectado e contrair o vírus é pelo contato direto com objetos usados por pacientes doentes que estão se cuidando em casa. O Governo […]

Karina Campos Publicado em 02/02/2021, às 15h53 - Atualizado às 20h11

(Foto: Arquivo/Midiamax)
(Foto: Arquivo/Midiamax) - (Foto: Arquivo/Midiamax)

Com a chegada da vacina de imunização contra a Covid-19, alguns cuidados foram deixados de lado, um deles é o descarte correto do lixo. Especialista explica que uma das maneiras de ser infectado e contrair o vírus é pelo contato direto com objetos usados por pacientes doentes que estão se cuidando em casa.

O Governo do Estado também publicou um manual de conduta quanto ao descarte e coleta dos resíduos produzidos pelos pacientes infectados que estão em isolamento nas cidades de Mato Grosso do Sul.

Uma das orientações é que luvas, máscaras e outros resíduos gerados pelo paciente ou durante os cuidados com devem ser colocadas em lixeira com saco de lixo no quarto da pessoa doente antes do descarte com outros resíduos domésticos.

Todo o lixo desses pacientes devem ser descartados com a descrição de ‘lixo infectante’ e seja separada do lixo comum nas lixeiras. Os sacos de lixo também devem ser resistentes e se possível colocar os resíduos em duas sacolas.

Todo cuidado também deve se estender aos trabalhadores da coleta da cidade, para não causar problemas à saúde deles, o ideal é que o morador feche bem as sacolas, para evitar transtornos a eles e nem ao meio ambiente.

O enfermeiro especialista em doenças infecciosas, Everton Ferreira Lemos, explica que o manuseio de “fômites”, ou seja objetos inanimados podem conter o vírus presente e viável. Assim, se houver contato com as mãos nos olhos, nariz ou boca, pode haver a contaminação.

“Cuidado com as mãos para não colocar sobre os olhos, nariz e boca. Sempre que possível lavar as mãos, são estratégias que auxiliam na redução da transmissão”, disse.

Confira o manual de condutas completo clicando aqui.

Jornal Midiamax