Cotidiano

Obra de revitalização na Rui Barbosa tem previsão de início para junho

O projeto tem estimativa de conclusão de 15 meses

Mariane Chianezi Publicado em 26/05/2021, às 19h12

None
Divulgação/PMCG

A Prefeitura Municipal de Campo Grande realizou nesta quarta-feira (26), por meio da Subsecretaria de Gestão e Projetos Estratégicos (Sugepe) e Unidade Gestora do Programa Reviva Campo Grande (UGP), uma live no canal do Reviva no Youtube para explicar o projeto de revitalização do Corredor de Transporte Coletivo da Rua Rui Barbosa. A obra tem previsão de início na primeira quinzena de junho.

A transmissão foi aberta ao público e contou com o apoio da Agência de Tecnologia da Informação e Inovação (Agetec) e da Secretaria Municipal de Educação (Semed), que cedeu intérpretes de Libras para tornar a reunião acessível.

Além do público em geral, a reunião contou com a presença do secretário municipal de infraestrutura e serviços públicos, Rudi Fiorese, que fez a abertura do evento, da coordenadora do Reviva, Catiana Sabadin, da diretora adjunta da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), Andréa Figueiredo, bem como dos engenheiros representantes das empresas executoras da obra.

Catiana Sabadin destacou a importância dos investimentos para a recuperação da economia em decorrência do momento pandêmico, ressaltando o fator multiplicador das obras, tanto na geração de empregos quanto no aumento do consumo no comércio. Ela ainda explicou que o Corredor da Rui Barbosa terá soluções tecnológicas para a segurança dos pedestres, além de melhorar a velocidade média do transporte público e concretizar o projeto piloto rumo ao conceito de cidade inteligente.

De acordo com a diretora adjunta da Agetran, Andréa Figueiredo, o corredor de transporte é fundamental para dar mais qualidade de serviço aos usuários, garantindo rapidez e pontualidade aos ônibus. “Os corredores têm o objetivo de aumentar a velocidade média dos ônibus e resgatar a credibilidade do usuário do transporte coletivo”.

O projeto prevê estações de embarque e desembarque ao longo da via, que serão instaladas com intervalos de 600 a 800 metros de distância, aumentando a rotatividade e ganho de velocidade média de 16 km/h para 23 km/h.

Obras

As obras na Rui Barbosa têm previsão de início na primeira quinzena de junho e o prazo de conclusão é de 15 meses, assim como as intervenções no microcentro. Serão sete quilômetros de revitalização, com recapeamento, instalação de mobiliário urbano, lâmpadas de Led, paisagismo, acessibilidade, câmeras de videomonitoramento, semaforização inteligente, wi fi gratuito, microdrenagem e padronização de calçadas.

Thiago Gonçalez, engenheiro da Engepar, empresa atuante no lote um, que vai da Fernando Corrêa até a Avenida Rachid Neder, explicou o plano de ataque as obras, detalhando cada etapa. Ele destacou que durante todo período de obras os pedestres poderão transitar em segurança pelos espaços, uma vez que a estrutura para isso foi toda planejada com rampas e tapumes, bem como o acesso aos imóveis será garantido.

Por sua vez, Renoir Zago, engenheiro civil da DP Barros, responsável pelas obras no lote dois da Rui Barbosa, que começa próximo ao viaduto da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e vai até a avenida Fernando Corrêa da Costa, informou que as intervenções começam pela drenagem, seguidas do serviço nas calçadas.

Jornal Midiamax