Valendo desde o primeiro dia útil do mês de junho, o sistema da Flexpark para cobrança de estacionamento rotativo voltou a funcionar na rua 14 de Julho após obra de revitalização. Diferente do restante das ruas do Centro, a cobrança na principal rua do comércio da cidade surpreendeu muitos campo-grandenses que não têm o costume de olhar para o chão.

O motociclista Otávio Martinez, de 25 anos, foi um dos surpreendidos com a medida. Ele deixou a moto estacionada na 14 para resolver pendências no centro e, no retorno, se deparou com uma notificação na manete da moto. “Não vi a placa, não dá para ver. Acho errado, você já tem uma condição financeira limitada e não vê o investimento dessa arrecadação”, disse o vigilante.

[Colocar ALT]
Recargas podem ser feitas pelo celular ou em ponto de vendas da Flexpark (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax)

Parando o carro em uma das vagas, o servidor público Marco Antônio, de 44 anos, já estava ciente da alteração, mas faz questão de comprar os créditos da forma presencial. “Eu tenho o aplicativo, mas prefiro comprar a recarga pessoalmente com o vendedor”, disse ele.

Com a opinião dividida, o pintor Ademir do Nascimento, de 37 anos, é a favor da mudança, mas não gostaria de pagar para estacionar. “Talvez seja uma regra para educar, imagina a bagunça que ia virar, não ia achar mais vaga. Mas eu não queria ter que pagar”, disse em direção a sua moto.

Para o garçom Marcos Luiz Rodrigues, de 46 anos, a mudança tem seus prós e contras. “Aquele chaveiro você saia para procurar o fiscal e quando voltava já tinha a notificação, com esse não. Mas na 14 achei ruim, tinha que deixar do jeito que estava. Facilitava, mas também não achava vaga”, disse depois de estacionar o carro.

Afinal, o que mudou?

O diretor da FlexPlark, Helion Porto, de 56 anos, explicou ao Jornal Midiamax as alterações no método de cobrança e como o morador da Capital deve lidar com o aplicativo. Clique aqui se você ainda não possui o aplicativo, a instalação no celular é gratuita. 

Segundo ele, depois de baixar o aplicativo, o usuário deve criar uma conta no sistema. Com o cadastro pronto, o usuário deve adquirir créditos para estacionar em uma das vagas. A aquisição pode ser feita pelo aplicativo através de 5 métodos diferentes ou presencialmente, em algum ponto de venda ou fiscal. “Para ativar a vaga, ele precisa ter o veículo cadastrado. Onde ele estacionar, o usuário irá verificar uma plaqueta na guia. Ele ativa a vaga por número ou QR Code”, disse ele.

Na 14 de Julho, os pontos de cobrança foram instalados entre a Fernando Corrêa da Costa e Afonso Pena e a Marechal Rondon e Mato Grosso. Após o uso, o crédito residual retorna para o usuário.

Código escondido

Sobre as reclamações da localização das placas com os códigos, o diretor explica que a empresa informou aos usuários do aplicativo sobre a mudança. Além disso, foram feitas campanhas de divulgação. “Fizemos divulgação prévia com pessoas na rua. Tem faixas informado a população no centro. Quando os veículos estacionavam, era colocado um panfleto informando a data da mudança”, disse Helion.

Sobre o posicionamento das placas não ser visível para alguns, o diretor afirmou que a decisão se trata de uma questão visual. “Acreditamos que é visível, é uma diferença na sinalização, que existe em outras ruas. É uma poluição visual menor e mais informativa”, finalizou.