Cotidiano

MPF recomenda ao Incra que continue com demarcação do território da comunidade Tia Eva

Relatório técnico para identificação da comunidade foi publicado em 2018

Fábio Oruê Publicado em 21/09/2021, às 17h21

MPF estabelece o prazo de 90 dias para que o Incra apresente as indicações dos trabalhos
MPF estabelece o prazo de 90 dias para que o Incra apresente as indicações dos trabalhos - Foto: Henrique Arakaki/ /Jornal Midiamax

O Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) recebeu a recomendação do MPF (Ministério Público Federal) para que continue o procedimento de identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação da comunidade quilombola Tia Eva, localizada na região norte de Campo Grande.

De acordo o MPF, o relatório técnico de identificação e delimitação (RTID) da comunidade foi publicado em diário oficial no ano de 2018. A partir de então, teve início a fase de notificação dos proprietários de imóveis incidentes no território reivindicado e, posteriormente, a fase de análise das contestações apresentadas, com conclusão prevista para o final de agosto de 2021.

Como não houve notificação de avanço do procedimento a partir de então, o MPF expediu a referida recomendação. Para o MPF, “a demora em regularizar os territórios quilombolas acarreta em uma série de problemas para essas comunidades, como dificuldade de subsistência, falta de acesso a serviços públicos, insegurança jurídica (decorrentes de longas batalhas judiciais, em geral oriundas da resistência de setores econômicos), violências e preconceitos”.

Na recomendação, o MPF estabelece o prazo de 90 dias para que o Incra apresente as indicações dos trabalhos necessários para prosseguimento e conclusão do procedimento de demarcação. A omissão de resposta será considerada recusa ao cumprimento da recomendação e pode implicar na adoção de medidas judiciais cabíveis.

Jornal Midiamax