Cotidiano

Manifestação de caminhoneiros não coloca em risco abastecimento de supermercados, diz associação

Agência Brasileira de Inteligência aponta que movimento perdeu força e deve durar por mais um dia

Mariane Chianezi Publicado em 09/09/2021, às 17h13

None
Marcos Ermínio, Midiamax

A manifestação dos caminhoneiros nas rodovias de todo o país seguem acontecendo e muitos já se perguntam se poderá haver falta de mantimentos nos supermercados de Mato Grosso do Sul, assim como a greve dos caminhoneiros em 2018. No entanto, conforme a Amas (Associação Sul-Mato-Grossense de Supermercados), a nova manifestação não coloca em risco o abastecimento dos estabelecimentos do estado.

Conforme nota divulgada, a associação informou que está acompanhando a situação em MS, e a Abras (Associação Brasileira de Supermercados) acompanha o monitoramento feito pelo governo federal. A Abin (Agência Brasileira de Inteligência), indica que o movimento já perdeu força e pode durar mais um ou dois dias no máximo.

"Para as entidades, o abastecimento e os preços dos supermercados não devem ser afetados e não existe necessidade de antecipação de compras por parte do consumidor", diz nota da Amas-MS.

Risco de racionamento de combustível

Apesar do risco de racionamento, o Sinpetro-MS (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência de Mato Grosso do Sul) fez apelo aos motoristas para que não promovam "busca desenfreada" por combustível nos postos do Estado.Confira aqui quais pontos de rodovias federais e estaduais de MS estão bloqueados.

Antes de alguns pontos de rodovias serem liberados para o tráfego, mais cedo, o sindicato disse que, caso as paralisações continuassem por mais de 24h, haveria risco de racionamento de combustível nos postos do Estado.

A instituição explica que durante o trajeto de Paulínia-SP e de Araucária-PR, onde se concentram as refinarias até as bases de Campo Grande, devido a alguns trechos de manifestações, mesmo com o trânsito fluindo, as cargas estão demorando um pouco mais do que o normal para chegar ao estado.

Manifestações dos caminhoneiros 

Além de MS, pelo menos outros 10 estados registram pontos de bloqueios de caminhoneiros bolsonaristas: SP, RJ, BA, GO, MA, MG, PA, RS, SC e TO. Em vários pontos, os manifestantes liberam a passagem de carros pequenos e veículos de emergência.

Apesar do apoio ao presidente, os caminhoneiros continuam com os protestos mesmo após Bolsonaro gravar um áudio pedindo para que os manifestantes encerrem o movimento, pois "atrapalha a economia" e "prejudica todo mundo, em especial, os mais pobres".

Jornal Midiamax