Cotidiano

Entre variantes mais letais, P1 é encontrada em 82% dos casos de Covid em MS

Variante é mais transmissível e atinge a população mais jovem

Dândara Genelhú Publicado em 16/04/2021, às 15h35

Foram analisadas 38 amostras de infectados em MS.
Foram analisadas 38 amostras de infectados em MS. - Foto: Reprodução.

Mato Grosso do Sul já possui confirmação de duas cepas do coronavírus, a P1 e P2, que tornam o coronavírus mais letal. Estudo da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) aponta que, no mês de março, a P1 foi encontrada em 82% dos casos de Covid-19 no Estado. 

Assim, o estudo da Universidade analisou 38 amostras sequenciadas entre 6 e 9 de abril. Destas, 82% estavam com a variante P1, originada em Manaus. Mesmo com um mês de circulação no Estado, a P1 já é a mais presente em MS. 

As duas variantes são consideradas pelo Governo do Estado como fatores para aumento da letalidade do coronavírus em MS. O Estado afirma que ss cepas ocasionaram “por conseguinte, o aumento na incidência de casos e no índice de letalidade em decorrência da doença”.De acordo com pesquisadores, a variante P1 é mais transmissível, atinge a população mais jovem, apresenta evolução de caso grave mais rápido e diminui a efetividade das vacinas contra Covid-19. 

O infectologista e pesquisador da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e UFMS, Júlio Croda, destaca que a P1 mais presente em MS explica a alta de casos e internações. “Hoje em dia, a maioria das pessoas que estão internadas são de jovens, principalmente por conta da P1, porque ela tem uma carga viral mais elevada”, apontou. 

O Jornal Midiamax já mostrou que cresceu o número de pessoas que morreram por Covid-19 em Mato Grosso do Sul e não tinham nenhuma doença prévia, chamadas comorbidades. Em menos de dois meses, o Estado teve mais que o dobro de vítimas fatais do coronavírus sem histórico de doenças e atingiu 59 óbitos nestas circunstâncias.

O número é 126,9% maior que o registrado nos dois primeiros meses do ano. Em janeiro e fevereiro, MS teve 26 mortes de pessoas sem doenças prévias por Covid-19.

Em menos de dois meses MS já registrou o maior número de mortes por coronavírus sem histórico de comorbidades desde o início da pandemia. No total, são 200 vítimas fatais da Covid-19 sem doença prévia no Estado.

Jornal Midiamax