Cotidiano

Em um mês e meio de campanha, MS recebeu 569 mil seringas para vacinação contra coronavírus

Há um mês e meio, Mato Grosso do Sul recebeu a primeira remessa com doses da vacina contra o coronavírus e pode iniciar a campanha de imunização. Desde então, a campanha tem seguido a passos lentos, mas MS já recebeu 569,8 mil seringas e agulhas para garantir a vacinação.  O material foi encaminhado pelo Ministério […]

Mylena Rocha Publicado em 08/03/2021, às 09h41

 (Foto: Leonardo de França, Midiamax)
(Foto: Leonardo de França, Midiamax) - (Foto: Leonardo de França, Midiamax)

Há um mês e meio, Mato Grosso do Sul recebeu a primeira remessa com doses da vacina contra o coronavírus e pode iniciar a campanha de imunização. Desde então, a campanha tem seguido a passos lentos, mas MS já recebeu 569,8 mil seringas e agulhas para garantir a vacinação. 

O material foi encaminhado pelo Ministério da Saúde, sendo que a primeira remessa foi recebida ainda em janeiro com 269.800 agulhas e seringas. A segunda remessa chegou a Mato Grosso do Sul no fim de fevereiro, com 300 mil agulhas e seringas. Com o material, por enquanto não há preocupações sobre uma possível falta de insumos para a campanha de imunização.

Conforme informações da SES (Secretaria de Estado de Saúde), os insumos para as campanhas de vacinação sempre foram disponibilizados previamente pelo Governo Federal. Porém, a SES também decidiu adquirir insumos, por precaução, logo há dois processos em andamento. 

Um deles é destinado exclusivo para a campanha contra a covid-19, que chega a 3,5 milhões de agulhas e seringas. No outro processo, a SES prepara a compra que vai atender outras campanhas de imunização e vacinação de rotina, no período de 2021 e 2022, onde processo possui a aquisição de 18,3 milhões de agulhas e seringas.

Vacinação em Campo Grande

A capital sul-mato-grossense também tem insumos suficientes para garantir a vacinação contra o coronavírus. A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) aponta que está abastecida com quantidade suficiente e, que além disso, há processos de compra em aberto, podendo haver a solicitação dos materiais, caso haja necessidade.

“Esse tipo de material é de uso comum na rede municipal de Saúde, portanto o abastecimento é feito de forma periódica, através de compras feitas pelo Município e envio pelo Governo do Estado e Ministério da Saúde”, informou.

Jornal Midiamax