Cotidiano

Em 24 horas, 49 novos pacientes foram internados com coronavírus em MS

O coronavírus tem avançado com rapidez e Mato Grosso do Sul tem uma média de 21,4 mortes por dia. Além disso, o número de internações aumentou nos últimos dias e nesta quarta-feira (13) chegou a 647 pacientes internados com coronavírus, um salto de 49 novas internações em apenas um dia. Dados da SES (Secretaria de […]

Mylena Rocha Publicado em 13/01/2021, às 17h36

(Foto: Divulgação/Gov MS)
(Foto: Divulgação/Gov MS) - (Foto: Divulgação/Gov MS)

O coronavírus tem avançado com rapidez e Mato Grosso do Sul tem uma média de 21,4 mortes por dia. Além disso, o número de internações aumentou nos últimos dias e nesta quarta-feira (13) chegou a 647 pacientes internados com coronavírus, um salto de 49 novas internações em apenas um dia.

Dados da SES (Secretaria de Estado de Saúde) mostram que Mato Grosso do Sul tinha 568 pacientes internados na segunda-feira (11). O número de internações aumentou para 598 na terça-feira (12) e chegou a 647 pacientes internados nesta quarta-feira (13). Ou seja, 79 pacientes evoluíram para o estado grave do coronavírus só nas últimas 48 horas.

A secretária adjunta Crhistinne Maymone ressaltou que os pacientes devem procurar atendimento médico em uma unidade de saúde logo nos primeiros sintomas do coronavírus. “Não podemos negar a doença, dizer que ela não existe. E, principalmente, não podemos deixar de procurar uma unidade de saúde falando que é uma questão simples, [o paciente] deve procurar atendimento imediatamente”, orientou.

O que acontece é que, por terem sintomas leves inicialmente, pacientes têm deixado para procurar um médico somente quando a situação se agrava. Porém, o coronavírus evolui rapidamente e em pouco tempo o paciente pode desenvolver o quadro grave da doença. Maymone orientou que nem mesmo os mais jovens podem subestimar o coronavírus. 

“Temos 11 crianças internadas. Embora tenha prevalência de quadros graves e moderados em pacientes acima de 50 anos, para todas as demais idades é importante que tenham o mesmo cuidado e mesmo respeito com um doença cuja história natural ainda está sendo conhecida. Não importa se é criança, jovem ou idoso, ao primeiro sintoma, procure unidade de saúde”.

Jornal Midiamax