Cotidiano

Com risco da variante Delta, asilos continuam com visitas restritas em Campo Grande

Depois de surto de casos no ano passado, vacinação e regras ajudaram a proteger idosos contra o coronavírus

Mylena Rocha Publicado em 11/09/2021, às 07h50

Casas de idosos ainda têm restrições a visitas, para evitar a contaminação.
Casas de idosos ainda têm restrições a visitas, para evitar a contaminação. - Henrique Arakaki/Midiamax

Depois de mais de um ano e meio de pandemia, muita coisa mudou e as pessoas têm retomado as atividades aos poucos. Contudo, as regras continuam rígidas nos asilos de Campo Grande, uma medida necessária para proteger aqueles que estão mais vulneráveis a adquirir a forma grave da doença. 

Estudos da SES (Secretaria de Estado de Saúde) apontaram um aumento de morte entre idosos por coronavírus, diante da redução da imunidade adquirida com a vacinação. Para evitar óbitos, há a aplicação da 3ª dose da vacina, que começou justamente nos moradores dos asilos na Capital. 

[Colocar ALT]
Voluntariado também está suspenso no asilo São João Bosco. (Foto: Henrique Arakaki)

No Asilo São João Bosco, uma das principais casas para idosos em Campo Grande, todos os moradores já tomaram a 3ª dose. Contudo, diante do risco de uma nova variante, os cuidados não podem ser relaxados. Por isso, os idosos ainda não podem receber visitas. 

Conforme informações apuradas pela reportagem, o asilo mantém restrições para visitas e os programas de voluntariado continuam suspensos. As medidas são necessárias para garantir que os idosos não sejam infectados ou até morram com o coronavírus. 

A assessoria do asilo explicou que os casos de coronavírus registrados no São João Bosco ocorreram logo no início da pandemia. Em julho, o asilo passou por um surto, quando houve até morte e testagem em massa. 

Agora, a situação é mais tranquila, mas o asilo não pode afrouxar as regras. O trabalho da assistência social ajuda os idosos a manter o contato com as famílias mesmo remotamente, enquanto a pandemia não termina. “Uma das nossas missões é manter o elo da família, é possível ter essa interação mesmo mantendo os cuidados”, frisou, via assessoria.

A Sirpha Lar do Idoso também conseguiu manter os idosos protegidos e não tem registros recentes de moradores infectados pelo coronavírus. A assistente social Nathália Grabowski explica que, desde o início da pandemia, foram muitas mudanças para adaptar os idosos à nova realidade. A profissional relata que todos os cuidados são mantidos, mas, com todos vacinados, foi possível fazer algumas flexibilizações para que os velhinhos pudessem matar a saudade da família. 

“Recentemente começamos a reabrir para visitação de familiares e amigos dos idosos, que estavam sentindo muita saudade”, diz. 

Apesar das visitas estarem liberadas, tudo precisa ser controlado, para evitar aglomeração e a contaminação pelo vírus. “As visitas precisam ser pré-agendadas, apenas um familiar pode entrar, é proibida a entrada de crianças ou idosos, é obrigatório o uso de máscara durante a visita, que tem duração de  30 minutos”, ressalta Grabowski.

A assistente social ainda explica que as visitas de voluntários e pessoas da comunidade seguem restritas. Na Sirpha, podem entrar somente os familiares e estagiários da saúde. “Sempre seguindo todo o protocolo estipulado pela Instituição, em consonância com as deliberações dos órgãos de saúde”, conclui. 

Doações

Apesar das visitas e o voluntariado restritos, ainda é possível fazer contribuições financeiras aos asilos. Confira nos links as formas de ajudar: Asilo São João Bosco e Sirpha. 

Jornal Midiamax