Cotidiano

Com exame por demanda, unidades de saúde de Campo Grande têm espera de até 2h para teste Covid

Mais de 30 pessoas aguardaram na USF Jardim Azaleia na tarde desta segunda-feira (7)

Dândara Genelhú Publicado em 07/06/2021, às 15h01

Pessoas se espalharam pela unidade para aguardar o início do exame.
Pessoas se espalharam pela unidade para aguardar o início do exame. - Foto: Leitor Midiamax.

Nesta segunda-feira (7), alguns campo-grandenses levaram até 2h para realizar o teste de Covid-19 nas unidades de Saúde da Capital. O atraso aconteceu pela alta demanda e início tardio dos atendimentos.

De acordo com leitor do Jornal Midiamax, na USF (Unidade de Saúde da Família) do Jardim Azaleia o público para exame começou a chegar antes do horário, para aguardar o período marcado pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) das 13h às 15h30. No entanto, foram surpreendidos com a informação dada pela equipe do local que os testes seriam realizados apenas às 14h.

Assim, uma fila com cerca de 30 adultos com casos suspeitos de Covid-19 foi formada na Unidade. A Secretaria explicou que anteriormente o USF Jardim Azaleia trabalhava “com início das coletas às 14h, quando havia agendamento através do telefone 0800 647 0911”.

Porém, “a partir de hoje (07), a coleta é feita completamente através da demanda espontânea, tendo a unidade padronizado ao horário das demais”.

Ou seja, o local deveria ter iniciado os testes de Covid-19 no horário já definido pela Secretaria. Assim, a Sesau informou ao Jornal Midiamax que “foi reforçada à equipe a necessidade de cumprir o horário de início às 13h”.

A situação de fila foi encontrada também na USF das Moreninhas. “Varanda cheia e sem distanciamento", foi assim que um leitor definiu a situação no início da tarde. Cerca de 25 pessoas aguardavam o atendimento para testagem.

Sobre essa situação, a Secretaria reforçou que “o atendimento é feito por ordem de chegada. Os servidores orientam a todo o momento os pacientes sobre a necessidade de respeitar as medidas de biossegurança, como a manutenção do distanciamento social”. Além disso, desde março de 2020 a Sesau adotou protocolo de biossegurança nas Unidades de Atenção Primária, para garantir a segurança dos servidores e população.

“Os pacientes são classificados e separados por setores, mantendo pessoas sintomáticas separadas das demais e todo o espaço possui marcações, incluindo os assentos”. No entanto, a Sesau informa que “mais do que nunca, é necessário a colaboração da população para que relatos como estes continuem sendo recorrentes. É necessário que cada um faça a sua parte”.

Jornal Midiamax