Cotidiano

Com aceleração da vacinação, taxa de ocupação de leitos cai e chega a 90% em Campo Grande

Município também ampliou número de vagas em hospitais

Gabriel Maymone Publicado em 28/06/2021, às 12h15 - Atualizado às 12h16

Campo Grande teve ampliação de 213% no número de leitos UTI desde o início da pandemia
Campo Grande teve ampliação de 213% no número de leitos UTI desde o início da pandemia - Divulgação

Após ficar semanas com taxa de ocupação acima dos 100% para UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para pacientes com covid, Campo Grande tem melhora no número de internações e está com 90% dos leitos ocupados. 

Até a manhã desta segunda-feira (28), mais de 375 mil pessoas já haviam recebido ao menos uma dose da vacina contra covid em Campo Grande, que representa 41,39% da população. Dessas, 162.705 já receberam a 2ª dose e outras 5.312 tomaram vacina de aplicação única e após 15 dias estão protegidas.

Conforme o painel da SES (Secretaria Estadual de Saúde), a Capital tem 334 leitos para pacientes em estado grave para covid. Isso significa que ainda restam 33 vagas em hospitais de Campo Grande.

No sábado, o HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) - referência para o tratamento da covid - registrou ocupação abaixo dos 100% pela 1ª vez em três meses. De acordo com o hospital, a difícil realidade era enfrentada desde o último dia 8 de março, período em que todos os leitos críticos estiveram totalmente ocupados, operando em uma capacidade de 100% de ocupação.

Abertura de leitos

Houve esforço da prefeitura de Campo Grande para ampliar os leitos existentes no município. Desde março de 2020, quando começou a pandemia em Mato Grosso do Sul, a Capital ampliou em 213% o número de leitos UTI.

Os leitos de UTI disponíveis atualmente estão distribuídos em oito hospitais: Hospital Regional Rosa Pedrossian (HRMS) – 125; Santa Casa – 91; Hospital Adventista do Pênfigo – 46; Hospital Universitário -36; Clínica Campo Grande – 24; Hospital de Câncer – 20; El Kadri- 20 e Proncor – 2.

Jornal Midiamax