Com 470 casos novos e 14 mortes, MS soma 364 mil infectados pelo coronavírus

Taxa de contágio voltou a cair no Estado
| 18/08/2021
- 15:09
Variante P1 corresponde a 40% dos casos mapeados em MS.
Estado tem média de 410 casos por dia. - Henrique Arakaki/Midiamax

Mato Grosso do Sul já soma 364.188 casos confirmados de , com 470 novos registros nesta quarta-feira (18). Foram registradas mais 14 mortes, conforme boletim epidemiológico do da SES (Secretaria de Estado de Saúde). A taxa de contágio voltou a cair e está em 0,87. 

Com os novos óbitos, o total de vítimas fatais em MS chega a 9.213 mortes desde o início da pandemia. As novas mortes foram registradas nas seguintes cidades: Campo Grande (6), Aquidauana (2), Bonito (2), Corumbá (2), Água Clara (1) e Paranaíba (1). 

Durante a live nesta manhã, a secretária adjunta, Crhistinne Maymone, explicou que a vacinação sozinha não é capaz de conter as contaminações, principalmente com o risco de novas variantes. “Enquanto estivermos nessa situação, continuamos com uso da máscara adequadamente, cobrindo nariz e boca, higienização das mãos e evitando risco de pegar a doença, ou seja, evitando aglomerações”.

A SES também destacou que MS já contabiliza um total de 1.020.294 casos notificados, dos quais 652.397 foram descartados. Há 530 testes em análise no Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública) e 3.179 casos sem encerramento pelos municípios. Dourados (32), Ribas do Rio Pardo (22), Três Lagoas (20), Chapadão do Sul (15), Aquidauana (12), entre outros. Confira o boletim aqui. 

Ocupação dos leitos em MS

De 364.188 casos confirmados em MS, 351.143 pacientes se recuperaram. Em relação às internações, MS tem 334 pacientes internados. Destes, 127 estão em leitos clínicos (86 públicos e 41 privados) e 207 em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), dos quais 169 estão em leitos públicos e 38 em privados.

A taxa de ocupação de leitos de UTI públicos global nas 4 macrorregiões de MS é de: 64% em Campo Grande, 54% em Dourados, 54% em Três Lagoas e 26% em Corumbá.

Com menos pacientes em estado grave, o secretário Geraldo Resende comentou que alguns leitos de UTI serão fechados. “Vamos remanejar leitos de UTI para outros agravos e começar a discutir leitos que deverão ser fechados em MS devido ao alto custo desses leitos”, disse na live.

Veja também

Energisa chegou a ser acionada, mas afirma que não pode fazer os reparos por defeito de responsabilidade dos moradores

Últimas notícias