Cotidiano

Campanha quer encontrar pais para crianças 'esquecidas' em abrigos; Saiba como participar

Ação quer encontrar famílias para crianças que acabam 'sobrando'

Fábio Oruê Publicado em 12/05/2021, às 19h07

Crianças são 'divulgadas' para encontrarem uma família
Crianças são 'divulgadas' para encontrarem uma família - Foto: Reprodução

Por não se encaixarem em perfis desejados por pretendentes à adoção, muitas crianças e adolescentes enfrentam mais tempo em unidades acolhedoras, privadas do direito de ter uma família.

A chamada busca ativa tem como objetivo a implementação de estratégias para dar efetividade à garantia constitucional de convivência familiar.

Ela pode ser desenvolvida mediante divulgação, com prévia autorização judicial, de dados, imagens e informações sobre crianças e adolescentes que não estão encontrando interessados em recebê-los em adoção.

Se é verdadeira a frase “quem não é visto não é lembrado”, a campanha busca mudar este quadro e dar visibilidade aos acolhidos, os quais, por meio de postagens publicadas nas redes sociais institucionais, revelam as suas habilidades, potencialidades, qualidades e sonhos.

Campanha

Para reverter este cenário, o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) com participação do MPMS (Ministério Público do Estado de MS) e Grupos de Apoio a Adoção estão com uma campanha que trata da busca ativa de famílias para adoção em todo o Estado, após esgotadas as possibilidades da criança retornar à família de origem e das buscas sem sucesso por família adotiva pelo SNA (Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento).

Assim, pretende-se sensibilizar a sociedade para o perfil especial desses meninos e meninas que, por serem maiores, possuírem alguma patologia ou pertencerem a grupo de irmãos, estão sem perspectivas de inserção familiar.

É defendida a possibilidade de aproximação e desenvolvimento de laços efetivos com vistas à adoção, independentemente da idade ou eventual condição de saúde, rompendo preconceitos e mitos.

Conforme registros do SNA, atualmente existe significativo número de acolhidos no Estado de Mato Grosso do Sul aptos à adoção, mas que ainda não conseguiram família substituta, pois a preferência das famílias habilitadas é por crianças mais novas e saudáveis, o que não destoa do cenário nacional.

Os interessados na adoção de alguma criança ou adolescente participante da campanha veiculada no perfil institucional dos órgãos envolvidos deverão entrar em contato com o Núcleo de Adoção da Vara da Infância e Adolescência da respectiva comarca, pelos telefones indicados, para que obtenham mais informações.

Jornal Midiamax