Cotidiano

Ausência do transporte coletivo e falta de UTIs no interior causam avanço da covid, diz Marquinhos

Prefeito de Campo Grande justificou medida que permite reabertura do comércio

Gabriel Maymone Publicado em 16/06/2021, às 10h41

Ônibus lotados são problemas recorrentes em Campo Grande
Ônibus lotados são problemas recorrentes em Campo Grande - Midiamax

Para o prefeito Marquinhos Trad (PSD), a culpa do avanço da covid é da "ausência de ônibus do transporte coletivo e da falta de UTIs (Unidade de Terapia Intensiva) no interior de Mato Grosso do Sul", que leva muitos a precisarem de internação em Campo Grande.

Ônibus cheios, atrasos e aglomerações em terminais são reclamações constantes da população campo-grandense que precisa do transporte coletivo. "Com a pandemia, deveria [aumentar] um pouco mais o número de ônibus. E tem fiscais nos terminais, eles não ajudam, em vez de estarem regularizando uma certa quantidade de gente no ônibus, não, eles colocam o quanto der no ônibus e se virem o resto, é porque eles não pegam ônibus", diz um passageiro ao Jornal Midiamax.

Os flagrantes de ônibus lotados são enviados frequentemente para a reportagem. No dia 1º de junho, por exemplo, mesmo com alta exponencial no número de casos de covid, leitores flagraram veículos cheios e com janelas fechadas.

O outro motivo apontado por Trad é a falta de UTIs no interior. Conforme a SES (Secretaria Estadual de Saúde), 53% dos leitos UTI para covid estão em Campo Grande. Reportagem do Jornal Midiamax já havia denunciado que 1 a cada 4 pacientes internados em Campo Grande são do inerior, que usam comprovante de residência falso.

'Ninguém vai morrer por falta de UTI'

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) rebateu nota do governo do Estado contra decisão do município de não adotar as medidas estabelecidas em decreto, durante participação em programa de televisão local.

"Não vai morrer nenhum campo-grandense longe de leito UTI na cidade, estamos monitorando pessoalmente e a sociedade tem ajduado", declarou, completando que "não tomamos nenhuma medida sem responsabilidade".

Após Campo Grande publicar o decreto permitindo a abertura do comércio, na tarde de segunda-feira (14), o secretário estadual de saúde, Geraldo Resende, emitiu nota oficial criticando a postura do prefeito. "O que eu mais espero, porém, é que essa medida não resulte em mais mortes por Covid em nossa capital", declarou.

Então, Trad disse que assume a responsabilidade do decreto. "Se quiserem jogar a responsabilidade nas minhas costas, não fujo de nada. Deus está comigo e Deus não desampara os justos e estou sendo justo", concluiu.

Queda de braço

Na quinta-feira (10), o governo do estado publicou decreto alterando a classificação de risco para covid nos municípios do Estado, colocando Campo Grande da bandeira vermelha para a cinza até o dia 24 de junho. Diferente das recomendações anteriores da SES, a medida foi publicada com caráter obrigatório, devendo os municípios seguirem as recomendações.

Após isso, Marquinhos chegou a pedir ao governo do Estado que retardasse o início do cumprimento das restrições para após o dia 12, para o comércio não ser prejudicado no Dia dos Namorados. O pedido foi acatado e o decreto começou a valer no domingo (13).

Entretanto, após pedido de associações do comércio, Campo Grande publicou na tarde de segunda-feira uma edição extra do Diário Oficial recolocando, por conta própria, a Capital na bandeira vermelha, o que na prática, faria com que o comércio voltasse a funcionar como antes.

Após a decisão, o procurador  municipal, Alexandre Ávalo, declarou que a culpa da alta da covid não é do comércio. "“O que motivou a mudança foi o entendimento de que o comércio não é o responsável pelas contaminações. Em geral, as atividades econômicas são solidárias e obedientes. O que prejudica são festas, bares e restaurantes que não cumprem as medidas, uma minoria”, disse.

Jornal Midiamax