Cotidiano

Aulas online existem para poucos e maioria já aderiu ao presencial em escolas particulares de Campo Grande

Pouquíssimas famílias ainda optam por manter crianças e adolescentes em casa

Mylena Rocha Publicado em 05/12/2021, às 07h52

Alunos que continuam estudando em casa são raras exceções em Campo Grande.
Alunos que continuam estudando em casa são raras exceções em Campo Grande. - Henrique Arakaki/Midiamax

Com a queda nos indicativos da pandemia e o avanço da vacinação, os sul-mato-grossenses têm retomado a rotina. Sair para jantar, trabalhar presencialmente e frequentar espaços de lazer têm sido uma realidade, assim como a volta às aulas nas escolas. Depois de tanto tempo em ensino remoto, pais já se sentem confiantes em deixar os filhos na escola e os colégios particulares têm somente raras exceções de alunos que continuam com aulas online em Campo Grande. 

Com uma série de medidas de segurança, as escolas particulares foram as primeiras a começarem a transição para o ensino presencial na Capital. No começo, as aulas eram híbridas e revezadas, com parte dos alunos na escola e a outra parte em casa. Agora, a situação já é bem diferente e são pouquíssimos os alunos que continuam com as aulas online. 

O Colégio Harmonia segue com o ensino remoto e presencial, mas as famílias que optam por continuar com as aulas a distância são minoria. Com o ano letivo quase chegando ao fim, a parcela de estudantes que continua com as aulas online é muito pequena. 

“A maioria, de 98% a 99%, está no ensino presencial e há apenas uma parcela muito pequena no remoto. Temos pouquíssimas turmas no ensino remoto, às vezes é um ou dois alunos em cada turma. Tem série sem nenhuma turma de remoto porque não tem famílias que optaram”, explica a diretora Talita Martins. 

A diretora do Colégio Harmonia aponta que entre as poucas famílias que optaram por continuar as aulas online tomaram a decisão por conta de um risco de saúde. “Os poucos casos de alunos que estão no remoto, normalmente é porque a criança ou família tem uma situação específica de saúde”. 

O ano deve finalizar com ensino remoto e presencial, mas o objetivo é de que as aulas online fiquem em 2021. Para o próximo ano letivo, o Harmonia planeja adotar o ensino 100% presencial. Só haverá uma mudança nos planos na hipótese de um novo cenário de pandemia, caso a Prefeitura publique um decreto obrigando o ensino a distância. 

Adolescentes também optam pelo ensino presencial. (Foto: Marcos Ermínio)

No caso dos adolescentes, a volta às aulas presenciais também é muito importante, ainda mais com a proximidade dos vestibulares, como o da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). No Colégio Nota Dez, quase todos os alunos já retornaram ao ensino presencial e somente os estudantes do interior do Estado continuam com aulas a distância. 

O diretor Patrick Jonny Colman Quadros explica que os alunos do interior continuam com o ensino remoto, já que assim evitam gastos como aluguel, transporte e alimentação em Campo Grande. Por outro lado, os alunos que já são da Capital e têm a oportunidade de ir ao colégio, não deixam de comparecer às aulas. 

“Os alunos de Campo Grande são presenciais, eles preferem vir na escola principalmente neste momento de preparação para o Vestibular e Passe UFMS. É um momento muito importante para que o aluno se prepare, eles preferem ter esse contato mais próximo com o professor”. 

No Colégio Resultados, o ensino também já é majoritariamente presencial. Com o avanço da vacina e a redução de casos, os pais se sentiram mais confiantes em deixarem as crianças na escola. Segundo a escola, 99% dos alunos estão com ensino presencial. 

O diretor Marcus Benachio explica que os pais já se sentem confortáveis com os filhos da escola, mas continuam atentos à pandemia. Conforme informações novas surgem, como o caso da descoberta da variante Ômicron, famílias já ligam na escola para tirar dúvidas.

“Não temos mais o ensino remoto e voltamos com o objetivo central, que são as aulas presenciais. Estamos operando no presencial, mas com todo o cuidado. As medidas de biossegurança continuam, com uso de máscaras, distanciamento, rodízio de salas, todas as medidas foram mantidas”, reforça o diretor. 

Jornal Midiamax