Cotidiano

Baixando: ocupação de leitos de UTI em Campo Grande é de 73% neste sábado

Acompanhamento do sistema mostra disponibilidade de vagas de terapia intensiva mesmo com demanda causada pelo coronavírus.

Humberto Marques Publicado em 22/08/2020, às 13h04 - Atualizado em 23/08/2020, às 07h36

Hospital Regional de Campo Grande | Foto: Arquivo
Hospital Regional de Campo Grande | Foto: Arquivo - Hospital Regional de Campo Grande | Foto: Arquivo

A taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em Campo Grande até as 10h deste sábado (22) foi de 73%, considerando-se as vagas nos hospitais públicos e contratadas junto a rede privada. Os dados são da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública).

A situação mostra controle da demanda mesmo com a pressão causada pelos casos de coronavírus (Covid-19), fato que já havia sido demonstrado no boletim da SES (Secretaria de Estado de Saúde) apresentado pelo secretário Geraldo Resende.

De acordo com dados da Sesau, dos 259 leitos disponíveis apenas no SUS (Sistema Único de Saúde), 200 estavam ocupados, uma taxa de 77%. Com os leitos na rede privada disponíveis para o sistema público, o total de vagas chega a 290, com 227 leitos em uso (78%).

Já no somatório entre hospitais públicos e os privados contratados, o volume de vagas atinge 312, com 227 utilizadas, uma taxa de 73%.

A ocupação não envolve apenas pacientes de coronavírus, mas abrange toda a demanda por terapia intensiva na cidade. Em relação à Covid-19, a cidade registrou 18.120 casos positivos de coronavírus, com pelo menos 140 mortes.

O trabalho de captação de vagas de terapia intensiva a fim de dar suporte aos pacientes, tanto pela demanda comum como a causada pela Covid-19, foi um dos responsáveis por afastar a possibilidade de lockdown em Campo Grande, proposto pela Defensoria Pública à Justiça –a ação acabou arquivada mediante comprovação de que a pressão no sistema de Saúde estava sob controle.

Na rede pública, o Hospital Regional, referência para a Covid-19, tinha 82 das suas 118 UTIs ocupadas nesta manhã, uma taxa de 69% de ocupação. Na Santa Casa, o percentual era de 85% (74 das 87 vagas em uso); e de 64% no Hospital de Câncer (18 das 28), unidade que serve de suporte ao sistema.

A ocupação era maior no Hospital Universitário (com 100% dos 26 leitos de UTI em uso) e de 94% no Hospital do Pênfigo (15 dos 16 leitos em uso), este um dos hospitais que fecharam contratualização para auxiliar o sistema.

Entre os demais contratualizados na rede privada, a ocupação chegou a 70% na Clínica Campo Grande (7 das 10 vagas conveniadas, todas disponíveis ao SUS), a 29% no El Kadri (2 das 7 vagas, todas no SUS) e a 15% no Proncor (3 dos 20 previstos, sendo que 6 deles foram disponibilizados ao SUS).

Situação no Estado mostra ocupação de leitos de UTI inferior a 80%, aponta SES

Pela manhã, ao apresentar o boletim que confirmou 41.888 casos positivos e 722 óbitos por coronavírus no Estado, o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, também sinalizou uma situação mais tranquila em relação à disponibilidade de vagas não apenas em Campo Grande, mas em todo o Mato Grosso do Sul.

Dos 351 leitos de UTI adultos disponíveis no Estado para o SUS, 170 eram ocupados por pacientes de Covid-19 e 28 com casos suspeitos (198, ou 56% do total). Em relação aos leitos pediátricos, havia apenas 1 caso suspeito nas 9 vagas disponíveis para coronavírus.

Na macrorregião de Campo Grande, que tem ao todo 302 leitos de UTI conveniados ao SUS, a taxa de ocupação era de 74% (sendo 39% para pacientes de coronavírus e 4% para casos suspeitos), de 71% em Dourados (111 leitos e 35% com casos suspeitos e confirmados de Coivid-19), 74% em Corumbá (37% das 27 vagas para infectados por Covid-19) e de 46% em Três Lagoas (60 leitos, 22% para Covid).

“Isso mostra que fomos bastantes vitoriosos no sentido de instalação de novos leitos de UTI que, consequentemente, tem taxa de ocupação, ainda que alta, suficientes para cumprir o compromisso de não deixar ninguém sem vaga quando precisar”, pontuou Geraldo.

Nos leitos clínicos, a taxa de ocupação era de 38% (das 744 vagas exclusivas para Covid-19 para adultos, 194 eram usadas por pacientes confirmados e 86 por suspeitos; na pediatria, das 119, eram 6 usados).

Jornal Midiamax