Cotidiano

Sem viagens em época de pandemia, empresas de vigilância tem redução de clientes e serviços

Tradicionalmente, o período de fim de ano, acompanhado de recessos, costumam fazer com que moradores contratem serviços de vigilância, deixando o imóvel em segurança enquanto viajam. Em Campo Grande, empresas do ramo já relatam perda de faturamento por conta da pandemia. O diretor administrativo da MS Monitoramento e Segurança Eletrônica 24H, Bruno Samdim, conta que […]

Karina Campos Publicado em 23/12/2020, às 16h09

(Foto: Ilustrativa/Getty Images)
(Foto: Ilustrativa/Getty Images) - (Foto: Ilustrativa/Getty Images)

Tradicionalmente, o período de fim de ano, acompanhado de recessos, costumam fazer com que moradores contratem serviços de vigilância, deixando o imóvel em segurança enquanto viajam. Em Campo Grande, empresas do ramo já relatam perda de faturamento por conta da pandemia.

O diretor administrativo da MS Monitoramento e Segurança Eletrônica 24H, Bruno Samdim, conta que até mesmo serviços de manutenção caíram em comparação com o mesmo período do ano passado.

“O Natal e o Ano Novo são épocas que antecedem muitas instalações, manutenção, serviços, entre outras coisas, mas neste ano foi diferente. Acreditamos que é porque não vão viajar. As pessoas que vão ficar em casa não veem necessidade de arrumar, por exemplo, uma cerca elétrica com fios rompidos”, disse.

Outro responsável por um empresa do ramo, que preferiu não se identificar, disse a pandemia foi responsável pela quebra de muitos contratos.

“Acreditamos que a pandemia deixou eles (clientes) em casa, não vão viajar. Tivemos muita redução de clientes, inclusive com o consórcio Guaicurus, que teve redução no atendimento. Nós fazíamos a segurança nos terminais”, relata.

A situação se repete na GMS Segurança, a maior parte dos clientes são fixos, mas comparando a 2019, não houve crescimento em dezembro. “A maioria dos contratos fixos são de empresas, de comércio, esses não reduziram, mas segurança em residência ficamos com os mesmos clientes”, explicou o gerente comercial Alessandro Velasques.

Após ter a casa invadida, um morador do Rita Vieira decidiu investir na seguridade da casa. Câmeras de segurança de vizinhos auxiliou nas imagens para verificar os suspeitos e divulgar para polícia.

“Dois rapazes passaram na frente das residências olhando e voltaram em direção a minha casa. Puxaram o portão de elevação, abriu a trilha e entraram pela janela. Eles levaram uma TV, reviraram a casa. Depois disso tomei providências na segurança, instalei travas elétricas no portão, cerca elétrica, que havia sido cortada, foi feita a manutenção. Vou instalar mais como alarmes e vigilância”, finaliza.

Jornal Midiamax