Cotidiano

Para conter coronavírus, cidade em MS proíbe crianças e idosos de participação em cultos

Um decreto publicado nesta segunda-feira (28), em Amambai, distante 3555 quilômetros de Campo Grande e localizada na fronteira com o Paraguai, adotou novas medidas na intenção de tentar conter o coronavírus, que também avança na cidade. Entre as restrições impostas pelo prefeito Edinaldo Bandeira (PSDB), que foi reeleito para um novo mandato, está a proibição […]

Marcos Morandi Publicado em 29/12/2020, às 06h49 - Atualizado às 12h38

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação) - (Foto: Divulgação)

Um decreto publicado nesta segunda-feira (28), em Amambai, distante 3555 quilômetros de Campo Grande e localizada na fronteira com o Paraguai, adotou novas medidas na intenção de tentar conter o coronavírus, que também avança na cidade.

Entre as restrições impostas pelo prefeito Edinaldo Bandeira (PSDB), que foi reeleito para um novo mandato, está a proibição de venda de bebidas alcóolicas, a partir das 18h. A medida é válida para bares e restaurantes e, também, para conveniências e supermercados.

O decreto também atinge também as igrejas da cidade, que só poderão realizar uma celebração religiosa por dia, com duração máxima de uma hora. A participação de crianças menores de cinco anos e idosos com mais de 60 anos, não está permitida.

Segundo o decreto assinado pelo prefeito, o descumprimento da medida estabelecida resultará na imediata suspensão das atividades da igreja ou templo de qualquer culto pelo período de 15 dias e até na cassação definitiva do alvará de funcionamento.

Segundo a prefeitura, fica suspensa a autorização para o funcionamento de serviços de buffets em estabelecimentos destinados à realização de eventos, reuniões, jantares e similares. Além disso, os serviços de cabelereiro, barbearia, salões de beleza e afins poderão funcionar diariamente somente até as 18 horas.

Segundo o prefeito, que é médico, as medidas são rígidas, mas são necessária para salvar vidas, uma vez que a situação do município já é considerada alarmante, com 1.00 casos já confirmados da doença e 20 óbitos, sendo que 13 deles foram registrados nos últimos 30 dias.

Jornal Midiamax