Incêndio deixou rastro de destruição em lavouras na região de Chapadão do Sul

Incêndios nas lavouras da MS-306, na região de Chapadão do Sul, a 310 quilômetros de Campo Grande, deixaram um rastro de destruição. Ponto na cidade de Chapadão do Céu (GO) também foi atingido. Essa área faz divisa com a cidade sul-mato-grossense. Bombeiros, brigadistas e até os fazendeiros da região ajudaram no combate as chamas nesta […]
| 20/08/2020
- 12:14
Incêndio deixou rastro de destruição em lavouras na região de Chapadão do Sul
Em lavoura de Chapadão do Céu, máquina foi destruída pelo fogo. Imagem: O Correio News - Em lavoura de Chapadão do Céu, máquina foi destruída pelo fogo. Imagem: O Correio News

Incêndios nas lavouras da , na região de Chapadão do Sul, a 310 quilômetros de Campo Grande, deixaram um rastro de destruição. Ponto na cidade de Chapadão do Céu (GO) também foi atingido. Essa área faz divisa com a cidade sul-mato-grossense. Bombeiros, brigadistas e até os fazendeiros da região ajudaram no combate as chamas nesta quarta-feira (19).

Por conta da força do vento, o fogo se alastrou muito rápido. O ponto mais crítico do acontecia nas imediações da fazenda Água Limpa, há cerca de 15 quilômetros de Cassilândia. As chamas destruíram parte da área de mata e seguia em direção à uma grande plantação de milho na região. Os focos de maior proporção eram no Aroeira, sentido Costa Rica, que foram controlados pelos militares.

Na propriedade da fazenda Celso Andrade, na região do pratinha, em Chapadão do Céu, o fogo atingiu o barracão, o refeitório e destruiu mais de 100 fardos de algodão, além de trator e caminhão. Já no Pratinha, a maioria dos assentados tiveram que abandonar suas casas e fugirem para a cidade, para evitar uma intoxicação com a fumaça.

Além dos bombeiros de Chapadão do Sul e Costa Rica, brigadistas e produtores rurais uniram-se e com máquinas agrícolas, trabalharam para conter o avanço do fogo.

Veja também

Produtos ficaram mais caros por conta da pandemia e guerra na Ucrânia.

Últimas notícias