Cotidiano

Fetems quer fechamento ‘100%’ das escolas estaduais e SED descarta antecipar férias

Com o primeiro dia de suspensão das aulas nas escolas estaduais de Mato Grosso do Sul nesta segunda-feira (23), começam movimentações de servidores administrativos para que as unidades de ensino da SED (Secretaria de Estado de Educação) sejam totalmente fechadas. No entanto, o Governo do Estado descarta adotar a medida, apontando impossibilidade de uso do […]

Humberto Marques Publicado em 23/03/2020, às 16h57

 (Foto: Henrique Arakaki/ Arquivo, Midiamax)
(Foto: Henrique Arakaki/ Arquivo, Midiamax) - (Foto: Henrique Arakaki/ Arquivo, Midiamax)

Com o primeiro dia de suspensão das aulas nas escolas estaduais de Mato Grosso do Sul nesta segunda-feira (23), começam movimentações de servidores administrativos para que as unidades de ensino da SED (Secretaria de Estado de Educação) sejam totalmente fechadas. No entanto, o Governo do Estado descarta adotar a medida, apontando impossibilidade de uso do sistema que integra as escolas da residência dos servidores.

“Nossa posição é de fechar as escolas 100%. Não há transporte público e não há internet boa em muitas cidades do interior”, defendeu o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores na Educação de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira.

Via assessoria, ele afirmou que as aulas devem ser mantidas à distância nas cidades onde houver condições tecnológicas para tanto, “para o professor encaminhar os alunos sem prejudicar o ano letivo”. A Fetems informou que cobra da SED a suspensão de qualquer atendimento presencial nas unidades escolares, sendo mantidas apenas aulas online as quais os professores podem fornecer de suas casas.

Dificuldade técnica

Via assessoria, a SED reiterou a suspensão das aulas nas escolas estaduais por 15 dias em todas as 352 unidades da rede estadual. “Contudo, a medida não implica no fechamento das escolas”, destacou. Os setores administrativos foram instruídos a criarem escalas para reduzir o número de servidores no mesmo ambiente, “medida essa acompanhada da liberação dos profissionais que se encaixam no perfil do grupo de risco”.

A secretaria informou que, por conta de “algumas atividades executadas no ambiente escolar, possíveis apenas mediante acesso aos sistemas da SED que –na maioria dos casos– só pode ser feito de dentro da escola, a adoção do teletrabalho não se aplica totalmente”.

Ao mesmo tempo, alega-se que os gestores escolares foram orientados a suspender o atendimento presencial e o fazer de forma remota por e-mail, telefone ou aplicativos de mensagens.

A SED informou que as medidas adotadas visam a manutenção do ano letivo “sem quaisquer prejuízos aos estudantes”, descartando medidas como a antecipação de férias escolas, o que “poderia resultar na distorção do calendário escolar de 2020, além da possível exposição de estudantes e professores aos períodos de maior risco”.

Jornal Midiamax