Cotidiano

Família faz almoço aos finais de semana para arrecadar R$ 120 mil para cirurgia na cabeça de bebê

Uma família de Campo Grande luta para conseguir a cirurgia para a pequena Liz Vitória de cinco meses de vida. Liz nasceu no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) com diagnóstico de escafocefalia, uma deformidade craniana. A cirurgia de correção de crânio precisa ser feita até os seis meses de vida para ótimos […]

Dayene Paz Publicado em 31/08/2020, às 10h36

Liz precisa de cirurgia com urgência. Imagem: Divulgação
Liz precisa de cirurgia com urgência. Imagem: Divulgação - Liz precisa de cirurgia com urgência. Imagem: Divulgação

Uma família de Campo Grande luta para conseguir a cirurgia para a pequena Liz Vitória de cinco meses de vida. Liz nasceu no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) com diagnóstico de escafocefalia, uma deformidade craniana. A cirurgia de correção de crânio precisa ser feita até os seis meses de vida para ótimos resultados, mas por causa de procedimentos paralisados na pandemia, a família não consegue realizar a cirurgia pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

A forma de conseguir R$ 120 mil – valor da cirurgia particular -, foi organizar almoços para vender aos sábados. “Vamos fazer galinhada nos dois primeiros sábados, depois fazemos outras opções”, contou a mãe de Liz, Andressa Luara da Rocha. “Essa cirurgia tem que ser feita até os seis meses de vida para ótimos resultados, porque quanto mais demora, mais riscos de danos cerebrais”, disse.

A mãe descobriu a escafocefalia quando Liz tinha seis dias de nascida, sendo que a bebê ficou internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do HRMS. Andressa encontrou dificuldade até com consultas. “Ela passou um exame muito importante que custa muito caro, pois é em 3D e tem que ser feita sedação”, contou ao Jornal Midiamax.

A família já fez um orçamento com especialista em patologias neurocirúrgicas. O valor ficou em R$ 120 mil. “Triste custar tão caro o futuro de uma criança, mas é a nossa realidade”, lamentou a mãe.

A reportagem entrou em contato com a SES (Secretaria Estadual de Saúde), já que o procedimento é disponibilizado pelo SUS. A Secretaria informou que entrará em contato com a família. “A Secretaria de Estado de Saúde vai intermediar a questão junto a família da paciente e a Santa Casa para solucionar a melhor forma de realizar a cirurgia da paciente”.

Quem quiser ajudar com os almoços, doações ou outros, pode entrar em contato pelo telefone (67) 99113-9863. Há também um link na Vaquinha Solidária para doações CLIQUE AQUI.

Jornal Midiamax