As queimadas que atingem o Pantanal sul-mato-grossense continuam com focos incansáveis na região de Corumbá. Os incêndios que destroem a floresta acabou fazendo com que o Governo Estadual decretasse situação de emergência nesta sexta-feira (24). O decreto 80 foi publicado em edição extra do DOE (Diário Oficial do Estado).

A área queimada estimada pelo Ibama e o Prevfogo já ultrapassa 300 mil hectares, somente no Município de Corumbá. Isso provocou o aumento de atendimentos nas Unidades Básicas de Saúde, por causa de doenças relacionadas à qualidade do ar, havendo registro de aumento substancial dos casos em coexistência com situação excepcional causada pela pandemia da Covid-19.

O município de Corumbá avalia que está no início do período crítico para incêndios florestais, com graves riscos ambientais referentes à perda de controle do fogo. Os incêndios acontecem em decorrência das condições climáticas extremas derivada da combinação de fatores indicativos de temperaturas acima de 30ºC, ventos superiores a 30 km/h de velocidade e umidade relativa do ar abaixo de 30%.

Além de previsão de anomalia de precipitação e temperatura para o mês de agosto de 2020, conforme prognóstico divulgado pelo Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

Conforme destaca o Decreto, o índice pluviométrico dos últimos anos determina o mais baixo nível do Rio Paraguai dos últimos 8 anos, apresentando cota atual de 1,62 m na régua de Ladário, sendo que o nível normal-médio é de 2,56 m para o mesmo local.

Isso tem resultado no secamento de grandes extensões de áreas que, historicamente, deveriam permanecer constantemente alagadas, fator que favorece a queima de turfa durante a propagação de incêndios florestais e dificulta a ação humana direta no combate às chamas, inclusive para acesso à água utilizada nesse combate, resultando na formação de novos focos de calor.

O nível mínimo do Rio Paraguai resulta ainda na impossibilidade de escoamento da produção mineral por hidrovia. A situação acarreta aumento de transporte de carga por via terrestre, e aumenta, consequentemente, a emissão de fumaça de origem fóssil.