Os corpos de vítimas mortas em consequência de coronavírus, acomodados em contêineres refrigerado no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul), devem ser remanejados pelas funerárias em até 2 horas. Devido a superlotação por óbitos na unidade, os corpos serão guardados em novos espaços.  

Segundo a SES (Secretaria Estadual de Saúde), o protocolo segue as medidas de biossegurança para manejo de cadáveres, pois, os riscos de infecção e transmissão da Covid-19 continua exposto por saliva, sangue, e fluidos corporais, já que vírus pode permanecer viável em superfícies ambientais por 24 horas ou mais, e também pode ser transmitido por aerossóis. 

“Como o SARS-CoV2 (nome científico da doença) é transmitido por contato é fundamental que os profissionais sejam protegidos da exposição a sangue e fluídos corporais infectados, objetos contaminados ou outras superfícies ambientais contaminadas”, explica o decreto.  

Além disso, o número de profissionais no manejo dos corpos deve ser o menor possível, com portas fechadas, e cuidado redobrado na remoção de drenos, tubos e cateteres. Sobre os procedimentos de necropsia, o protocolo prevê a coleta de material para realização de exames e notificar as autoridades competentes.  

Já no transporte dos corpos, a Saúde determina que deve ser feito com utilização de revestimentos impermeáveis para impedir o vazamento de líquido. “O carro funerário deve ser submetido à limpeza e desinfecção de rotina após o transporte do cadáver; remover adequadamente o EPI (Equipamento de Proteção Individual) após transportar o corpo e higienizar as mãos com água e sabão imediatamente após remover o EPI”.  

Segundo a assessoria do Hospital Regional, quatro corpos foram remanejados no contêiner hoje, porém, já foram levados pelo serviço funerário.