Para evitar o avanço de coronavírus, a aldeia urbana Água Bonita, em Campo Grande, resolveu montar uma barreira sanitária por conta própria. Moradores e trabalhadores da região passam por uma triagem antes de entrar no local.

Segundo o cacique Auder Romeiro, a preocupação aumentou devido aos recentes casos confirmados e mortes por Covid-19 em aldeias do Estado. As visitas tanto para moradores como para horta, foram suspensas temporariamente, mas o fluxo de pessoas é grande.

“O coronavírus bateu na nossa porta, então a gente precisa se cuidar. Tivemos casos positivos de parentes de moradores. Nós tivemos máscaras doadas, mas a comunidade se uniu para comprar o aferidor de temperatura, borrifador para desinfectar”, disse.

Ainda conforme o líder indígena, as medidas passaram a ser adotadas há 12 dias, além disso, decidiram reduzir a carga horária de trabalhadores da região da horta, construção civil e assistência social.

“Nós temos cerca de 251 famílias, mas temos também funcionários terceirizados que não moram aqui, o fluxo de pessoas é grande na aldeia. Nós recebemos treinamento para fazer a barreira com o agente de saúde. Nós tivemos que adotar as medidas para nossa segurança”, finaliza.