Cotidiano

CNJ nega pedido de acordo apresentado por servidores do TJMS

Por decisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), os servidores do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) não receberão mais a implementação de percentuais restantes do ano de 2019. A justificativa do conselho, foi que aconteceu uma ‘desequiparação’ na remuneração. Em seu pedido, o TJMS pediu que fosse implementado imediatamente os percentuais […]

Mariane Chianezi Publicado em 12/02/2020, às 14h13 - Atualizado em 13/02/2020, às 09h43

(Foto: Arquivo Midiamax)
(Foto: Arquivo Midiamax) - (Foto: Arquivo Midiamax)

Por decisão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), os servidores do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) não receberão mais a implementação de percentuais restantes do ano de 2019. A justificativa do conselho, foi que aconteceu uma ‘desequiparação’ na remuneração.

Em seu pedido, o TJMS pediu que fosse implementado imediatamente os percentuais restantes, referente as graduações periódicas e parceladas até 2020 nos termos das Leis n. 3.687/2009 e 4.383/2016, de 4,676% (2019) e 4,467% (2020). Porém, teve a negativa.

Para o presidente do Tribunal de Justiça, Des. Paschoal Carmello Leandro, a decisão coloca fim a uma situação controversa. O ano de 2019 foi difícil e de enfrentamento a uma crise. Houve a necessidade de medidas para conter despesas e ações de planejamento eficazes para reorganizar a estrutura, e acomodar as despesas na receita existente.

Conforme o TJMS, várias medidas foram questionadas pelo CNJ, assim como para a OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil) e o Sindijus (Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário). Algumas questões como esta, que aguardavam decisão, causavam insegurança, considerando que o resultado envolve disponibilidade orçamentária.

Esse período está chegando ao fim e, com os questionamentos julgados improcedentes e arquivados, a administração do TJMS segue com o plano de desenvolvimento para o ano de 2020, sempre em busca de promover a celeridade na prestação jurisdicional, que beneficia diretamente a população.

Decisão

Nos autos, o Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso do Sul apresentou informações ao CNJ alegando, em suma, que a pretensão dos requerentes esbarrava nos limites subjetivos da coisa julgada da sentença proferida na ação em referência.

Disse ainda que não havia disponibilidade orçamentária para a implementação do aumento de forma imediata e, por fim, alegou que está adstrito ao princípio da legalidade, não podendo descumprir a forma de implementação da equiparação prevista nas leis já citadas nos autos.

Em sua decisão, o Corregedor Nacional de Justiça destacou que a avaliação dos limites subjetivos da coisa julgada da referida ação judicial envolve questão jurisdicional, que escapa da atribuição do Conselho Nacional de Justiça.

“O fato de existir decisão judicial determinando a implementação de aumento para os autores da demanda, não autoriza automaticamente o Poder Público a estender a implementação do aumento a todos os demais servidores, uma vez que o Tribunal de Justiça, como ente público, está vinculado ao princípio da legalidade estrita. Nesse sentido, somente pode o TJMS agir com base em expressa autorização legal. A existência de decisão judicial referente a um grupo de demandantes não autoriza o Poder Público a violar os termos da lei vigente e estender a antecipação dos percentuais para outros servidores não relacionados na ação judicial”.

O Ministro Humberto Martins acrescentou que o pedido dos autores perdeu objeto, na medida em que, de acordo com a lei regente, a última parcela da recomposição de equiparação, que se pretendia antecipar, foi implementada a partir de 10 de janeiro de 2020. “Portanto, não mais se trata de antecipação, mas sim de cumprimento do disposto na legislação em vigor”, concluiu.

Jornal Midiamax