Cotidiano

Prazo termina e Hospital Regional continua sem ar condicionado

Apesar de o calor ter amenizado após chuva, os pacientes internados no HRMS (Hospital Regional de Campo Grande) continuam sem climatização em leitos abafados. Isso porque a unidade está sem o funcionamento de ar condicionado há quase um mês. O hospital informou que os equipamentos já estão em manutenção e devem ser religados ainda nesta […]

Mariane Chianezi Publicado em 26/09/2019, às 15h39 - Atualizado em 27/09/2019, às 07h47

Foto: Reprodução/WhatsApp Midiamax
Foto: Reprodução/WhatsApp Midiamax - Foto: Reprodução/WhatsApp Midiamax

Apesar de o calor ter amenizado após chuva, os pacientes internados no HRMS (Hospital Regional de Campo Grande) continuam sem climatização em leitos abafados. Isso porque a unidade está sem o funcionamento de ar condicionado há quase um mês. O hospital informou que os equipamentos já estão em manutenção e devem ser religados ainda nesta quinta-feira (26).

No dia 16 de setembro, a SES-MS (Secretaria Estadual de Saúde), informou ao Jornal Midiamax que o problema seria em uma pane elétrica e deu um prazo de 10 dias para que os aparelhos voltassem a funcionam normalmente. No entanto, o prazo se passou e equipamentos seguem sem operar.

A assessoria de imprensa do HRMS disse que aguardava a conclusão dos procedimentos de fiscalização para a liberação das hélices dos aparelhos para poder concluir a manutenção. Por fim, disse que devem ser religados ainda nesta quinta-feira até o final da tarde.

Conforme a denúncia, a falta de ar condicionado no PAM (Pronto Atendimento Médico) estaria causando mal-estar em funcionários e principalmente nos pacientes. Alguns funcionários teriam conversado com a gerência do hospital para solucionar o problema, mas até então, nada foi resolvido.

“Como está calor e precisa abrir a janela, as moscas entram nos leitos e até entram na boca de pacientes que estão entubados”, disse a fonte à reportagem na última semana.

Outra fonte informou que no setor do CETOHI (Centro de Tratamento de Oncologia Infantil), no 8° andar, está sem ar condicionado por conta das fezes dos pombos. Segundo a denúncia, os aparelhos no andar não estariam sendo ligados por conta da baixa imunidade da crianças daquele andar que estão com câncer.

“Está uma situação horrível para aquelas crianças e os familiares que as acompanham durante o tratamento e um tremendo descaso. Até mesmo para os profissionais que atuam nos cuidados das crianças esta complicado ficar naquele lugar abafado”, disse a reportagem

Jornal Midiamax