José Almeida Crisostomo, de 74 anos, morreu por pneumonia bacteriana grave na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Moreninhas, em Campo Grande, no fim da tarde de quinta-feira (20), sem conseguir vaga em um CTI (Centro de Terapia Intensiva) hospitalar, mesmo com determinação da Justiça.

A Prefeitura foi notificada por duas vezes pelo Tribunal de Justiça para que encaminhasse, com total urgência, o idoso para um hospital, por estar correndo risco de morrer, o que acabou não sendo feito por causa da lotação das unidades hospitalares.

Com o primeiro descumprimento, foi determinada pelo juiz José Henrique Kaster Franco, a separação de R$30 mil para encaminhar o paciente à um hospital particular, já que pela “vaga zero” nas CTIs públicas estava empacada. Segundo o processo, que o Jornal Midiamax teve acesso, a primeira tentativa aconteceu no sábado (15) e a segunda na terça-feira (18), sendo que o médico pediu o encaminhamento no dia 12.

José morava na zona rural de Anhanduí, a 60 km de Campo Grande, quando sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e foi encaminhado pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para UPA. Por ser diabético estava com má circulação, iria perder um dos pés, e contraiu pneumonia bacteriana grave.

Em nota, encaminhada pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), na manhã de ontem (20), o município informou que estaria tentando “cumprir a determinação judicial e tem buscado, incessantemente, uma vaga hospitalar para a continuidade do tratamento”. A secretaria ainda não se posicionou sobre o falecimento do paciente.

*Matéria editada às 9h45 para acréscimo de informação.