Em Ponta Porã, detentos fabricam cofrinhos para ONG de proteção aos animais

Quatro internos UPRB (Unidade Penal Ricardo Brandão), em Ponta Porã, a 340 quilômetros da Capital, estão confeccionando centenas de cofres em madeira que são distribuídos pelos estabelecimentos comerciais do município, para arrecadação de doação para a ONG (Organização Não Governamental) Irmandade das Patinhas, que luta em defesa dos animais na região de fronteira. De acordo […]
| 09/03/2019
- 11:31
Em Ponta Porã, detentos fabricam cofrinhos para ONG de proteção aos animais

Quatro internos UPRB (Unidade Penal Ricardo Brandão), em Ponta Porã, a 340 quilômetros da Capital, estão confeccionando centenas de cofres em madeira que são distribuídos pelos estabelecimentos comerciais do município, para arrecadação de doação para a ONG (Organização Não Governamental) Irmandade das Patinhas, que luta em defesa dos animais na região de fronteira.

De acordo com as informações, as peças são de diferentes tamanhos e são produzidas pelos na oficina de marcenaria do presídio e entregues para a entidade.

A produção é uma parceria da (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) realizada através da direção da unidade penal, e além de remição de pena aos reeducandos – conforme a LEP (Lei de Execução Penal) a cada três dias trabalhados um é remido na pena –  leva conhecimento e contribui para as atividades da ONG que resgata animais em perigo abandonados.

Para o interno Emerson Hélio do Prado Ferreira, ter a oportunidade de trabalhar enquanto cumpre pena é uma grande satisfação. “Isso ajuda a me reintegrar na sociedade, ocupa minha mente aqui dentro e ainda consegui aprender uma nova profissão”, ressaltou afirmando que além dos cofres também confeccionam vários tipos de móveis na oficina.

Ocupação produtiva

Ainda segundo a Agepen, na UPRB, a mão de obra dos detentos é utilizada constantemente em benefício de instituições sociais. A exemplo disso, está a produção de medalhas e troféus esportivos em MDF. As peças foram entregues para seis eventos esportivos. Todos sem fins lucrativos.

Vale ressaltar que o foco é a ressocialização, através da ocupação produtiva dos detentos.  Atualmente o presídio conta com 14 oficinas laborais, entre olaria, marcenaria, fábrica de vassouras, costura, etc, que oferecem trabalho a 168 reeducandos.

Ações como essas são coordenadas pela Diretoria de Assistência Penitenciária da Agepen, por meio da Divisão de Trabalho.

Veja também

Comunidade Esperança, localizado no Bairro Noroeste em local conhecido como “Aterro do Noroeste” entrou em...

Últimas notícias