Cotidiano

Criança de 3 anos escapa de Ceinf e chega sozinha em casa no Jardim Noroeste

A mãe de uma criança de três anos denuncia suposto caso de negligência em um Ceinf (Centro de Educação Infantil) da Capital, localizado no bairro Jardim Noroeste. Segundo ela, a criança escapou em meio a uma aglomeração no portão do Ceinf Elza Francisca de Souza Maciel e caminhou sozinha cerca de três quadras até chegar […]

Guilherme Cavalcante Publicado em 01/08/2019, às 13h29 - Atualizado às 18h39

Aglomeração em portão teria favorecido saída de criança sem ser percebida | Foto: Google Fotos | Reprodução
Aglomeração em portão teria favorecido saída de criança sem ser percebida | Foto: Google Fotos | Reprodução - Aglomeração em portão teria favorecido saída de criança sem ser percebida | Foto: Google Fotos | Reprodução

A mãe de uma criança de três anos denuncia suposto caso de negligência em um Ceinf (Centro de Educação Infantil) da Capital, localizado no bairro Jardim Noroeste. Segundo ela, a criança escapou em meio a uma aglomeração no portão do Ceinf Elza Francisca de Souza Maciel e caminhou sozinha cerca de três quadras até chegar à residência, no fim da tarde da quarta-feira (31).

“Eu fui buscar minha filha às 16:25. Como colocaram uma caixa de som na porta da creche, a gente anuncia o nome da criança e a professora traz ela até a gente. Mas isso virou um tumulto na porta, uma verdadeira bagunça, com muita gente. Eu falei o nome da minha filha e ela nunca chegava. Por volta das 17h, minha cunhada me ligou perguntando onde eu estava e me disse que minha filha já estava em casa há uns 20 minutos”, conta.

Segundo a mãe, a criança saiu sozinha e não foi vista devido à aglomeração no portão. “Eu não a vi saindo. Mas, a obrigação deles é me de entregar ela em mãos, por ter muita gente. Fui avisada, depois, que ela saiu correndo na rua a rumo de casa. Uma senhora a abordou e minha cunhada chamou minha filha pelo nome”, acrescenta.

De acordo com o relato, a criança esteve em perigo durante o trajeto em que caminhou desacompanhada, pois a via é movimentada. “As coisas não são assim, ela poderia ter sido atropelada”, disse a mãe. Ela registrou boletim de ocorrência no início da tarde desta quinta-feira (1º).

Ainda de acordo com o relato, uma ata registrou o incidente e teria responsabilizado uma professora.

Reincidência

Não é a primeira vez que crianças consegue fugir de Ceinfs na Capital. Em novembro de 2018, dois meninos de dois anos abriram portão e vagaram por ruas do Jardim Tijuca. Os meninos saíram por um portão lateral do estacionamento do Ceinf e até atravessaram correndo a Rua Souto Maior, uma das mais movimentadas da região.

A mãe de uma das crianças registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil e acusou a escola de negligência. Segundo ela, na ocasião, só foi avisada da fuga  – que teria ocorrido pela manhã – quando foi buscar o filho, no fim da tarde. Na ocasião, a Semed informou que havia sindicância para apurar o ocorrido para que “medidas cabíveis sejam tomadas”.

Semed

Ao Jornal Midiamax, a Semed (Secretaria Municipal de Educação) informou que, de acordo com a direção da unidade escolar, a mãe estava na EMEI no momento da entrega dos alunos, porém, não observou a criança quando foi chamada pela professora.

Conforme a Superintendência de Gestão e Normas da secretaria, a direção da unidade já recebeu uma advertência e foi determinada a mudança na dinâmica de entrega dos alunos aos pais que deverão ir até a sala de aula no momento da saída. A entrega não será mais feita no portão.

A Superintendência de Gestão e Normas ressaltou reunirá todos os diretores das unidades escolares para reforçar as orientações, já repassadas em anos anteriores quanto a rotina e segurança dos alunos nas escolas.

* Matéria alterada às 13h50 para acréscimo de informação.

WhatsApp: fale com os jornalistas do Midiamax

O relato foi enviado ao WhatsApp do Jornal Midiamax no número (67) 99207-4330. O canal de comunicação serve para os leitores falarem com os jornalistas. Flagrantes inusitados, denúncias, reclamações e sugestões podem ser enviados com total sigilo garantido pela lei.

Jornal Midiamax