Cotidiano

Em 60 dias, primeiro castramóvel começa a atender em Campo Grande

A emenda para a aquisição de uma unidade móvel de castração de animais de pequeno porte foi assinada na tarde desta segunda-feira (30). O projeto tem como objetivo atender os bairros com maior vulnerabilidade e incidência de doenças provenientes de animais. O valor do castramóvel é de aproximadamente R$ 200 mil e o atendimento deve […]

Ana Paula Chuva Publicado em 30/12/2019, às 17h15 - Atualizado em 31/12/2019, às 09h28

(Ana Paula Chuva | Midiamax)
(Ana Paula Chuva | Midiamax) - (Ana Paula Chuva | Midiamax)

A emenda para a aquisição de uma unidade móvel de castração de animais de pequeno porte foi assinada na tarde desta segunda-feira (30). O projeto tem como objetivo atender os bairros com maior vulnerabilidade e incidência de doenças provenientes de animais. O valor do castramóvel é de aproximadamente R$ 200 mil e o atendimento deve começar em até 60 dias.

De acordo com o Prefeito Marquinhos Trad (PSD), esse é o primeiro degrau de muitos que Campo Grande precisa percorrer no bem-estar animal. “A cidade nunca teve um castramóvel. Esse é o primeiro. É um degrau de uma escada que possui muitos outros. Mas a consciência não pode partir apenas do Executivo, tem que vir de toda a sociedade”, informou destacando a importância do trabalho em conjunto para a aquisição da unidade.

Marquinhos ressaltou também que o valor investido no bem-estar animal corresponde a menos de 1% do total que os deputados têm disponível para emendas. “São aproximadamente R$ 36 milhões de emendas só na Assembleia, apenas R$ 100 mil para o bem-estar animal, menos de 1%. Nada é feito sem ajuda dos deputados, por isso o povo os escolhe”, disse.

Autor da emenda, o deputado Marcio Fernandes (MDB) informou que agora será aberta a licitação e em até 60 dias o castramóvel deve estar atendendo. “Foi um investimento em parceria, foram R$ 100 mil meus e R$ 100 mil da Prefeitura. Agora será aberta a licitação e o prazo de entrega é de aproximadamente 60 dias”, contou.

“O objetivo da unidade é atender as regiões mais vulneráveis e a administração disso será feita pelo CCZ. Queremos castrar cães e gatos e pelo menos dobrar a quantidade de atendimentos já feita no CCZ”, relatou.

Na prática

De acordo com a coordenadora do CCZ (Centro de Controle de Zoonoses e Bem-Estar Animal de Campo Grande), os atendimentos na unidade móvel de castração serão agendados com uma semana de antecedência após uma triagem.  “Nós estaremos no bairro uma semana antes, faremos uma triagem e agendaremos o procedimento para uma semana depois. A princípio não faremos a restrição nos animais positivos para alguma doença, mas vamos tomar um cuidado”, ressaltou.

Se o animal estiver apto para castração, o tutor receberá a senha e o procedimento agendado. “Os bairros serão escolhidos de acordo com a vulnerabilidade social. Nós já temos um levantamento, sabemos que a região Sul é uma região que precisa muito desse atendimento. Os tutores receberão a orientação necessária. Temos um limite de atendimentos por dia, mas a intenção é fazer dois atendimentos por mês nos bairros”, explicou.

Juliana ressaltou que o atendimento não será negado, a princípio, para os animais que apresentarem alguma doença, mas tudo será analisado na triagem. “Se eu tenho um animal com uma anemia profunda eu não posso submetê-lo, por exemplo, ao procedimento, por isso o tutor será informado, ele precisará fazer o tratamento e depois pode procurar a castração novamente”.

“Nós queremos que a população entenda que o procedimento de castração é muito importante. Nosso procedimento é rápido e minimamente invasivo. Faremos toda a orientação sobre os cuidados necessários, após o procedimento. Nosso objetivo mesmo é castrar o máximo de animais que pudermos”, informou Juliana.

Ainda conforme a coordenadora do CCZ, a castração na unidade será para cachorros.  A castração de felinos continua com as 600 vagas na unidade do CCZ e o agendamento permanece da mesma forma.

Jornal Midiamax