Cotidiano

Dia D: Sesau espera que trailer na Praça aumente número de imunizados

Sem um número estimado para o dia D, de vacinação contra gripe, a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) espera que a concentração na Praça Ary Coelho e o número de pessoas que vão ao Centro aumente a quantidade de imunizados neste sábado (4). Para a superintendente de vigilância em Saúde, Veruska Lahdo, o movimento ‘antivacinas’ tem aumentado […]

Ana Paula Chuva Publicado em 04/05/2019, às 09h23 - Atualizado em 05/05/2019, às 10h27

Foto: Leonardo de França
Foto: Leonardo de França - Foto: Leonardo de França

Sem um número estimado para o dia D, de vacinação contra gripe, a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) espera que a concentração na Praça Ary Coelho e o número de pessoas que vão ao Centro aumente a quantidade de imunizados neste sábado (4).

Para a superintendente de vigilância em Saúde, Veruska Lahdo, o movimento ‘antivacinas’ tem aumentado o medo das pessoas o que diminui o número na procura pela imunização. “A gente acredita que a diminuição na procura por imunização é porque as pessoas estão deixando de acreditar nas vacinas, mas é aí que entram as campanhas para conscientizar a população”, disse.

Dia D: Sesau espera que trailer na Praça aumente número de imunizados
Veruska Lahdo. Foto: Leonardo de França

“A ideia do trailer aqui na Praça é centralizar a procura, e esperamos que tenha aumente os números de imunizados, dando uma oportunidade a mais para quem vier ao Centro se vacinar”, explicou.

Na manhã deste sábado, a presença dos idosos foi a mais significativa no local, mas para a Sesau a expectativa é de que mais crianças sejam vacinadas hoje.

Para a profissional da Saúde, Carla Franciele Ortiz, 32 anos, trabalhar na saúde faz com que ela entenda a importância da vacina. “Trouxe minha filha de 4 anos para vacinar, sei o quanto é importante a imunização. A diminuição da procura é porque as pessoas têm medo da reação da vacina, mas a gente sabe que as consequências da doença são muito piores”, explicou.

Dia D: Sesau espera que trailer na Praça aumente número de imunizados
Tatina Borga. Foto: Leonardo de França.

De férias em Campo Grande, a baiana Tatiana Borba, 40 anos, aproveitou para levar o filho de 1 ano para tomar a primeira dose da vacina. “É de extrema importância imunizar nossas crianças”, disse.

Já Valdete de Almeida, 60 anos, contou que se imuniza todo ano e cobra para que seus filhos imunizem os netos. “É a terceira vez que venho aqui na Praça para vacinar. Meus netos também vão tomar a vacina, eu cobro meus filhos disso. Fico no pé mesmo”, contou.

Quem pode receber

Na primeira fase da campanha, que correu do último dia 10 de abril até o dia 21, apenas gestantes e crianças até 5 anos, 11 meses e 29 dias recebiam a vacina. Do dia 22 de abril em diante, portanto, a campanha de imunização foi estendida aos demais grupos prioritários.

Além de crianças até seis anos e gestantes, podem procurar a vacina idosos, puérperas (mulheres que deram à luz até 45 dias após o parto), trabalhadores da saúde, professores das escolas públicas e privadas, povos indígenas, grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais.

Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade que estão sob medidas socioeducativas, população carcerária e funcionários do sistema prisional também receberão a imunização.

Documentos e comprovação

Para receber a dose, é preciso apresentar o Cartão Nacional de Saúde (CNS) e/ou número prontuário da rede de saúde de Campo Grande (Hygia); documento pessoal de identificação; e, a caderneta de vacinação.

Portadores de condições especiais precisam comprová-las, o que pode ser feito com laudo médico ou exames com identificação. No caso de indígenas, é preciso apresentar o cadastro na Sesai. Segundo a Sesau, o rigor no controle é para atender as recomendações do Ministério da Saúde, que não irá disponibilizar doses extras da vacina.

Jornal Midiamax