Com suspeita de meningite, menina que perdeu memória espera vaga desde terça-feira

Há quase uma semana, o estado de saúde de Ana Clara tem preocupado os pais e o desespero ficou ainda maior diante da falta de vagas em hospitais e da suspeita de meningite. Os desmaios, perda temporária de memória e no movimento das pernas, dores na nuca, no pescoço e na cabeça são motivo de […]
| 13/03/2019
- 15:47
Com suspeita de meningite, menina que perdeu memória espera vaga desde terça-feira

Há quase uma semana, o estado de saúde de Ana Clara tem preocupado os pais e o desespero ficou ainda maior diante da falta de vagas em hospitais e da suspeita de . Os desmaios, perda temporária de memória e no movimento das pernas, dores na nuca, no pescoço e na cabeça são motivo de preocupação. A (Secretaria Municipal de Saúde Pública) de Campo Grande afirma que o caso é tratado como prioridade.

A mãe da menina, Michelle Guimarães, conta que tudo começou na última quinta-feira (7), quando a filha teve dores de cabeça, vômitos e dores no corpo, e foi levada ao UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Universitário. Na sexta-feira (8), os sintomas se repetiram, acompanhados dos desmaios.

No fim de semana, após uso de medicamentos, a menina apresentou melhora, mas no fim da noite de segunda-feira (11) o pai levou um susto ao encontrar a filha desmaiada em casa. “Durante a madrugada, o pai dela levantou e ela estava desmaiada na cozinha. Enquanto a gente se arrumava para levá-la ao posto, ela já teve mais um desmaio, ela não sentia mais as pernas”, relata a mãe.

Segundo Michelle, a criança foi bem atendida pelos médicos da UPA, mas é preciso uma vaga em hospital para fazer os exames e confirmar se ela realmente tem a doença. Mesmo internada na unidade, um novo sintoma assustou os pais. “Ela começou a não recordar de algumas coisas, estava com o pescoço doendo, recuperou o movimento das pernas, mas não conseguia agachar. Agora ela está melhor, mas tem dores na nuca, estômago e pescoço”.

Para Michelle, a melhora da filha é um alívio para o coração, mas a preocupação ainda é grande, ainda mais diante da falta de vagas em hospitais. “Não precisa ser um hospital específico, pode ser qualquer um, mas só dá para fazer o exame nos hospitais”.

Em nota, a Sesau afirma que a paciente está em processo de regulação com prioridade 1, com urgência. “O médico solicitou a reavaliação do quadro clínico para fazer o encaminhamento para uma unidade hospitalar. Isso deve ocorrer ainda hoje”, explica a Secretaria.

A meningite

Na sexta-feira (8), a SES (Secretaria de Estado de Saúde) identificou a primeira vítima da meningite, um homem de 34 anos, morador de Corguinho – a 99 km da Capital. A meningite pode ser desencadeada por vírus, fungos, bactérias e outros agentes, já a transmissão pode acontecer de pessoa a pessoa, por gotículas de saliva e secreções da nasofaringe. Ainda de acordo com a SES, por se tratar de uma doença endêmica, os casos são esperados ao longo do ano.

Para se prevenir, a Secretaria de Estado da Saúde orienta que a população fique atenta aos sintomas: febre, dor de cabeça, náusea, vômito, rigidez de nuca, prostração, confusão mental ou convulsões. Constatando os sintomas, o paciente será avaliado e o caso de suspeita, investigado.

De acordo com o Ministério da Saúde, para o diagnóstico da meningite, o médico solicita a coleta de amostras de sangue e líquido cerebroespinhal (líquor). O laboratório então testa as amostras para detectar o agente que está causando a infecção. A identificação específica do agente é importante para o médico saber exatamente como deve tratar a infecção.

Veja também

Interessados em participar do processo seletivo devem comparecer na Funsat

Últimas notícias