Cotidiano

#CG120: Nas mãos de Glauber da Rocha, paixão por Campo Grande vira livro de poesias

Todo mundo tem uma forma de demonstrar as paixões. Glauber da Rocha uniu as boas lembranças com os lugares que ama em Campo Grande e decidiu transformar sua fascinação pela Cidade Morena em um livro de poesias. Intitulado de “Pelas ruas de tua cidade, ó morena!”, o material cita de forma romântica os principais pontos […]

Bruna Vasconcelos Publicado em 03/08/2019, às 07h00 - Atualizado em 04/08/2019, às 08h00

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal - Foto: Arquivo Pessoal

Todo mundo tem uma forma de demonstrar as paixões. Glauber da Rocha uniu as boas lembranças com os lugares que ama em Campo Grande e decidiu transformar sua fascinação pela Cidade Morena em um livro de poesias.

Intitulado de “Pelas ruas de tua cidade, ó morena!”, o material cita de forma romântica os principais pontos turísticos da Capital e convida o leitor a um passeio pelas ruas do município através das palavras.

Nascido em Dourados, Glauber se mudou para Campo Grande com a mãe quando tinha 12 anos e colecionou na memória, durante muitos anos, momentos rotineiros de todo adolescente.

Apesar de passarem despercebidas para a maioria, o jovem captava as situações cotidianas e as reunia em um caderno de pensamentos. O material, que guardava lembranças do dia-a-dia na Cidade Morena, ficou guardado por uma década na gaveta até ser publicado.

“Comecei escrevendo sobre as lembranças que rondavam minha cabeça como a do trilho do trem na Duque de Caixa e os dias que eu andava 10 quadras até o ponto de ônibus para ir para a Vila Alba. Escrevia sobre os pipoqueiros que ficavam na rodoviária antiga, sobre os pombos, sobre todas as cenas.”

O escritor revela que cenários bem conhecidos por moradores e turistas não podiam ficar de fora. O pôr do sol de Campo Grande foi, claro, umas das principais inspirações para o professor. Mas é no Parque das Nações Indígenas que Glauber renova as energias.

“O Parque tem bastante espaço e é o local que a gente sente mais paz, onde muitas pessoas vão para ver a beleza e fugir da correria do dia a dia.”

Atualmente, com 37 anos, o escritor é formado em pedagogia e trabalha como professor de apoio aos estudantes com autismo. O apego por Campo Grande fez Glauber criar raízes e ser uma das mãos que constroem, dia após dia, uma cidade melhor para as próximas gerações.

Jornal Midiamax