Cotidiano

Bandido que se passou por policial e teve irmão morto em assalto mentiu para PMs

Tentativa de assalto a uma propriedade rural em Anhanduí, distrito de Campo Grande, que terminou com a morte de Edimar Serafim Barbosa só foi solucionado no dia 28 de dezembro, cinco dias após o crime, que aconteceu na noite do dia 23. O irmão de Edimar, Vanderlei de Souza Barbosa, ficou ferido e mentiu para […]

Renata Portela Publicado em 30/12/2019, às 17h13 - Atualizado às 17h29

Arma e celular foram entregues no domingo (Foto: Divulgação)
Arma e celular foram entregues no domingo (Foto: Divulgação) - Arma e celular foram entregues no domingo (Foto: Divulgação)

Tentativa de assalto a uma propriedade rural em Anhanduí, distrito de Campo Grande, que terminou com a morte de Edimar Serafim Barbosa só foi solucionado no dia 28 de dezembro, cinco dias após o crime, que aconteceu na noite do dia 23. O irmão de Edimar, Vanderlei de Souza Barbosa, ficou ferido e mentiu para a polícia na tentativa de despistar.

Segundo detalhes apurados pelo Jornal Midiamax, policiais militares foram acionados para irem até a propriedade rural onde teria ocorrido a invasão e roubo. As vítimas seriam um casal e o neto, de 8 anos, e os autores estariam escondidos na mata. Os policiais foram até o local e não encontraram ninguém e segundo o relato, estava muito escuro no local.

Já na noite do dia 24, a Polícia Militar de Nova Alvorada do Sul, cidade que fica a 120 quilômetros, registrou boletim de ocorrência de lesão corporal, já que Vanderlei deu entrada no hospital com fratura na perna direita após ser ferido com um tiro. Ele mentiu para os policiais, dizendo que estava em casa quando foi atingido pelo tiro por ladrões de porcos.

Três dias depois foi descoberta a morte de Edimar, irmão de Vanderlei, também vítima de disparo de arma de fogo calibre 12. Ele estava na Santa Casa de Campo Grande e o boletim de ocorrência pela morte foi registrado no dia 27.  A filha de Edimar acabou contando para a polícia que o pai e o tio saíram naquela noite do dia 23 para beberem e voltaram feridos na madrugada do dia 24.

Naquela madrugada eles teriam chegado em casa gritando por socorro. Edimar tinha ferimentos de tiro no tórax e também no braço esquerdo e conseguiu contar para a esposa que ele e o irmão foram atingidos pelos disparos e que Vanderlei estaria caído no meio do mato. Edimar foi socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e levado para a Santa Casa de Campo Grande e o irmão levado para o hospital de Nova Alvorada.

Roubo e tiroteio

Foi esclarecido pela polícia que naquele dia 23, a proprietária da chácara estava acompanhada do esposo e do neto de 8 anos quando duas pessoas chegaram batendo na porta. Ela reconheceu a voz de Vanderlei, que é o vizinho, mas a dupla teria se apresentado como policiais. Os dois teriam dito que estavam ali para apreenderem a arma de fogo do morador.

Vanderlei e Edimar teriam ameaçado arrombar a porta caso as vítimas não abrissem. Os moradores se esconderam no quarto, quando a dupla começou a bater na porta com força e conseguiu arrombar. Os suspeitos entraram e o morador pegou a espingarda calibre 12. Ocorreram disparos sendo que alguns atingiram as paredes e objetos da sala.

Mesmo com os disparos, os suspeitos continuaram a entrar na casa, quando os tiros atingiram os irmãos. Eles então fugiram em direção ao matagal e deixaram alguns pertences caírem no caminho. A moradora foi com o neto para a casa de uma vizinha, onde permaneceu, sem saber para onde o marido teria ido.

A polícia esclareceu sobre a importância do homem se entregar, então ele ligou para os policiais militares e informou que entregaria a arma de fogo e também o celular de um dos autores do roubo, que teria caído durante a fuga. Os objetos foram apreendidos na tarde de domingo (29) e o caso registrado como comunicação falsa de crime ou contravenção, roubo na forma tentada e homicídio simples.

Os crimes seguem em investigação e Vanderlei e a vítima de roubo devem ser autuados pelos crimes.

Jornal Midiamax