Cotidiano

Prefeitura oferece teste rápido de hepatite C na Praça Ary Coelho neste fim de semana

Testes também serão feitos na CRS Tiradentes

Raiane Carneiro Publicado em 27/04/2018, às 14h44

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação - Foto: Divulgação

Entre os dias 28 e 1º maio, a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) irá oferecer teste rápido para diagnóstico de hepatite C no trailer instalado na Praça Ary Coelho e no CRSA (Centro Regional de Saúde) do Tiradentes. A ação, que acontece em conjunto com a vacinação contra gripe, visa diagnosticar a doença e dar encaminhamento para os casos confirmados.

Pacientes com mais de 40 anos poderão fazer os testes na Pra Ary Coelho neste sábado (28), segunda (30) e terça-feira (1º). O CRS Tiradentes, fará os exames no domingo (29) e também atenderá para vacinar contra a gripe sem intervalo para o almoço.

A expectativa da secretaria é de fazer os testes em 3 mil pessoas. Segundo a secretaria, Campo Grande foi escolhida juntamente com outras seis cidades brasileiras para participar de um projeto piloto de pesquisa que tem como objetivo oferecer um método mais rápido e simples de diagnóstico da hepatite C. A pesquisa está sendo conduzia em parceria entre município e a média infectologista Andréia Lindenberg.

De acordo com a Sesau, a hepatite C é conhecida por ser uma doença silenciosa e pode ficar anos sem manifestar sintomas, podendo evoluir para câncer, cirrose e até levar à morte. Até 1993, não havia teste para a detecção da hepatite C o que levou muitas pessoas a serem infectadas por transfusão de sangue e compartilhamento de material para injeção. Em função disso, o teste é recomendado para pessoas a partir dos 40 anos. O procedimento também pode ser feito nas unidades básicas de saúde.

A doença

A hepatite C é causada pelo vírus C (HCV) e assim como o vírus causador da hepatite B, está presente no sangue. Entre as causas de transmissão estão: transfusão de sangue; compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas, cachimbos, entre outros), para higiene pessoal (lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, alicates de unha ou outros objetos que furam ou cortam) ou para confecção de tatuagem e colocação de piercings; da mãe infectada para o filho durante a gravidez (mais rara); e, sexo sem camisinha com uma pessoa infectada (mais rara).

Conforme a Sesau, a transmissão sexual do HCV entre parceiros heterossexuais é muito pouco frequente, principalmente nos casais monogâmicos; sendo assim, a hepatite C não é uma IST (Infecção Sexualmente Transmissível). Entre homens que fazem sexo com homens, se houver a infecção pelo HIV, o sexo pode ser uma forma de transmissão do vírus.

Jornal Midiamax