Cotidiano

Mudanças na rotatória da Coca-Cola começam imediatamente

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) assinou na manhã desta terça-feira (24) a ordem de serviço da requalificação da rotatória da Coca-Cola, no cruzamento das Avenidas Interlagos e Guri Marques, cuja expectativa de entrega é fim de agosto, muito embora o prazo final seja setembro.

Guilherme Cavalcante Publicado em 24/04/2018, às 10h18 - Atualizado às 13h51

Para prefeito, expectativa é que nova rotatória seja inaugurada no fim de agosto (Foto: Richelieu Pereira)
Para prefeito, expectativa é que nova rotatória seja inaugurada no fim de agosto (Foto: Richelieu Pereira) - Para prefeito, expectativa é que nova rotatória seja inaugurada no fim de agosto (Foto: Richelieu Pereira)

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) assinou na manhã desta terça-feira (24) a ordem de serviço da requalificação da rotatória da Coca-Cola, no cruzamento das Avenidas Interlagos e Guri Marques. Na ocasião, Trad destacou que tem expectativa de que as obras sejam entregues ainda durante o aniversário da cidade, no fim de agosto, muito embora o prazo final seja setembro.

Segundo o prefeito, os estudos acerca das intervenções a serem feitas devem começar imediatamente e já há recursos para a execução do projeto, que será tocado pelo consórcio CAM, vencedor da licitação.

A rotatória é considerada uma das mais problemáticas de Campo Grande, e deverá sofrer intervenções aos moldes do que foi realizado na Via Parque (Avenida Nelly Martins com Mato Grosso). Todavia, a região guarda mais desafios, já que o volume de tráfico e o porte dos veículos são bem maiores na Coca-Cola.

“Diferente da Via Parque, que tem trânsito de 34 mil veículos de pequeno porte por dia, na Coca-Cola o número chega a 47 mil, e estamos falando de transporte coletivo, carretas e caminhões. Além do mais, é uma das entradas e saídas da cidade, área de acesso para muitos outros bairros”, destaca o prefeito.

Início imediato

O diretor-presidente da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Janine de Lima Bruno, reforçou que os estudos para a elaboração do projeto devem durar de 30 a 45 dias. Além disso, a malha semafórica da Capital também será revisada e substituída conforme a necessidade.

“O dinheiro virá dos cofres municipais. São recursos garantidos pelo pagamento de multas e também do IPVA (Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores). Além desse estudo, a empresa também vai verificar os pontos da cidade em que a troca de semáforos será necessária”, afirma. Ao todo, são 470 semáforos em Campo Grande.

As obras deverão promover fluidez no trânsito da região e fazem parte da proposta de requalificação semafórica da cidade, cuja expectativa é investimento é de R$ 31 milhões em dois anos. Além das obras no local, a Prefeitura também pretende interferir em outros pontos de tráfego intenso, como as rotatórias das Avenidas Euler de Azevedo e Tamandaré; Três Barras e Marquês de Lavradio; e Eduardo Elias Zahran com Joaquim Murtinho.

(Com Richelieu Pereira)

Jornal Midiamax