Cotidiano

Confira dicas para transportar seu pet de forma segura no veículo

É comum andar pelas ruas de Campo Grande e encontrar animais de estimação passeando de carro com os donos. No último fim de semana, um cachorro na janela do veículo chamou a atenção de um leitor do Jornal Midiamax: o animal estava com as quatro patas apoiadas na janela. O leitor ficou preocupado e temia […]

Mylena Rocha Publicado em 09/10/2018, às 11h44 - Atualizado às 11h45

Animais não devem passear com a cabeça para fora do carro. (Foto: Ilustrativa/Pixabay)
Animais não devem passear com a cabeça para fora do carro. (Foto: Ilustrativa/Pixabay) - Animais não devem passear com a cabeça para fora do carro. (Foto: Ilustrativa/Pixabay)

É comum andar pelas ruas de Campo Grande e encontrar animais de estimação passeando de carro com os donos. No último fim de semana, um cachorro na janela do veículo chamou a atenção de um leitor do Jornal Midiamax: o animal estava com as quatro patas apoiadas na janela.

Confira dicas para transportar seu pet de forma segura no veículo
Cachorro foi flagrado ‘em pé’ na janela do carro. (Foto: Leitor/Whatsapp)

O leitor ficou preocupado e temia que o cãozinho pudesse despencar do carro em uma avenida movimentada como a Afonso Pena. “Achei uma brincadeira de mau gosto, o carro estava parado no sinal, mas mesmo depois, o carro continuou o percurso com o bichinho em pé na porta” disse. A preocupação do leitor levanta a dúvida: afinal, como os bichinhos de estimação devem ser transportados?

A melhor alternativa é sempre usar uma proteção adequada para o tamanho e tipo de animal. A recomendação da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) é que os motoristas nunca andem com o bichinho de estimação sem um cinto ou proteção, principalmente caso esteja sozinho no carro.

“Devemos usar caixas, cadeiras apropriadas ou cinto de segurança exclusivos para pets. Em lojas especiais para animais existem esses equipamentos ideais para o transporte de cada tipo de bichinho. O transporte correto do animal é importante não só para evitar multas, como também previne situações mais graves caso ocorram imprevistos, como freadas bruscas ou colisão que podem levar à ferimento grave ou até o óbito do seu pet”, explica a chefe da Divisão de Educação no Trânsito, Ivanise Rotta.

O ato de transportar os pets soltos no carro oferece diversos perigos. O motorista pode ficar preocupado com o animal e perder a atenção no trânsito. Além disso, o bichinho pode atrapalhar quem dirige, causando até um acidente.

Não é novidade que os animais gostam de tomar um vento fresco na janela do carro, mas o costume pode colocar o animal em risco, assim como a situação flagrada pelo leitor. Segundo a Agetran, cães de pequeno porte podem usar um cinto peitoral, adaptado para ser preso junto ao cinto do carro. Para os gatos, a melhor alternativa é utilizar a caixa de transporte para que eles se sintam mais seguros.

Já para quem tem caminhonete, é proibido levar o animal solto na carroceria, já que a prática oferece risco à vida dos pets. Segundo Rotta, os cachorros grandes só podem ser transportados na carroceria se estiverem alojados em uma caixa. Prender o animal com coleira ou cordas no pescoço nem pensar: pode causar enforcamento.

Confira dicas para transportar seu pet de forma segura no veículo
Foto: Reprodução/Instagram

Como levar os pets na moto

É permitido o transporte dos animais na moto e, assim como no carro, os donos devem investir em um equipamento de segurança. O gato Chiquinho ficou famoso ao ser flagrado em uma transmissão de telejornal na moto com o dono, mas em MS, a recomendação é que os tutores utilizam um dos três equipamentos recomendados para o transporte dos pets: a mochila homologada, um complemento na parte traseira ou o sidecar.

A mochila é recomendada para animais de pequeno porte e pode ser levada nas costas ou entre as pernas. É importante lembrar que a mochila deve contar com a ventilação necessária para que os pets possam respirar normalmente.

Para os animais que não cabem na mochila, a alternativa é instalar uma caixa de transporte na parte traseira da moto. A caixa deve permitir a ventilação e deve ser acolchoada, para não expor os animais a impactos fortes. Já para os pets maiores e mais pesados, o transporte deve ser feito em sidecars, com uma ressalva: eles devem ser adestrados. Caso contrário, o passeio virar uma tragédia, provocando acidentes graves.

Multas

Segundo o CTB (Código de Trânsito Brasileiro), a condução de animais nas partes externas do veículo é considerada infração grave e pode render cinco pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e uma multa de R$ 127,69.

“Portanto, se seu cachorro adora colocar a cabeça pela janela, saiba que você pode levar uma multa por isso. Também não pode ir na cabine de caminhonetes”, explica a chefe da Divisão de Educação no Trânsito.

O CTB ainda prevê que o motorista flagrado dirigindo com animais à sua esquerda, entre os braços ou pernas, perde quatro pontos e a infração é considerada média e multa no valor de R$ 85,13. Se o animal andar solto dentro do carro e tirar a atenção de quem dirige, o motorista também pode ser multado com R$ 53,20 e leva três pontos na carteira.

Ivanise Rotta ressalta que levar os animais no colo também não pode. “É proibido levar o animalzinho no colo ou do lado esquerdo, entre o corpo e a porta. Neste caso, a multa é de R$ 86,13. Além de evitar multas, o transporte correto garante a segurança dos animais em eventuais freadas bruscas ou acidentes”, diz.

Jornal Midiamax