Cotidiano

Cientista de MS faz pesquisa e ‘salva’ coleção rara do Museu Nacional

Uma coleção rara de vespas do Museu Nacional do Rio de Janeiro foi “salva” do incêndio pelo fato de estar em Dourados, cidade a 220 quilômetros de Campo Grande. A coleção está em um laboratório da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), cedida para pesquisas. O pesquisador Breno Maycon Trad foi quem solicitou o material […]

Diego Alves Publicado em 05/09/2018, às 22h33 - Atualizado em 06/09/2018, às 10h34

None

Uma coleção rara de vespas do Museu Nacional do Rio de Janeiro foi “salva” do incêndio pelo fato de estar em Dourados, cidade a 220 quilômetros de Campo Grande. A coleção está em um laboratório da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), cedida para pesquisas.

O pesquisador Breno Maycon Trad foi quem solicitou o material para o seu doutorado sobre a “Relação entre as espécies e evolução do corpo ao longo do tempo de vespas encontradas na América do Sul”.

Breno disse ao site Dourados News que o material já deveria ter sido devolvido, porém, solicitou mais tempo para terminar seus estudos. Ele conta que na coleção existem vespas coletadas há mais de 100 anos, em várias partes da América do Sul.

“São poucas coleções como essa no país. Seria uma perda se estivesse no museu que acabou destruído pelas chamas, bem como se perderam outros materiais deste tipo lá e para reconstruir uma coleção como essa acredito que se levaria cerca de 200 anos”, disse.

O Museu Nacional tinha um acervo de 20 milhões de itens, como fósseis, múmias, peças indígenas e livros raros que foram destruídos no incêndio.

Jornal Midiamax